TAKIN’ BACK MY LOVE – Capítulo 02

19 01 2012

Música do Capítulo: Para Qué – Anahi


Os olhos verdes me prenderam na metade da escada. Maldição, eu tinha mesmo que encontrar ele aqui?

— Você… o que… Alice — Edward se perdeu nas palavras e fitou Alice como se fosse a esguelar

— O que? Hey eu não fiz nada, Bella chegou hoje e…

— Sim eu cheguei hoje e…

— O que ta acontecendo aqui? — Jacob saiu da sala de estar e então viu Edward, sua expressão não foi das mais felizes. — Já entendi.

— Mas o que… — Esme chegou lá ao mesmo tempo que Carlisle. — Ah!

Fitei meus pés e mordi o lábio, tomando uma decisão de sair dali. Respirei fundo e me virei olhando Alice.

— Ali, foi bom te ver novamente, vou para o hotel, eu te ligo avisando para nos encontrarmos amanhã ok.

Comecei a descer as escadas fitando meus pés, e consciente de olhos em cima de mim.

— Espera — Alice disse descendo e parando na minha frente. — Vem comigo para o restaurante.

E ela lançou os seus olhos de cachorro perdido.

Golpe baixo.

Olhei para Jake, gritando Socorro com os olhos. Ele apenas fez uma expressão de ‘Desculpe não sei o que fazer.’ Evitei olhar novamente para o homem parado perto da escada.

— Por favor Bella, venha comigo — Alice estava a ponto de se ajoelhar. Doida.

— Alice, não é uma boa idéia e… — tentei argumentar, mas ela me cortou.

— Por que não? Edward não vai te perturbar, finge que ele não existe.

— Isso ela sabe fazer muito bem — Jacob tinha que abrir a boca?

Rolei os olhos e mordi meu lábio de novo. Será uma boa idéia?

— Bella — Edward começou a falar e eu notei o nervosismo em sua voz — Pode vir conosco, Alice com certeza vai querer sua opinião para os pratos do casamento, e bem eu não te perturbar vai ser como se eu não existisse e…

— Calma respira — eu disse olhando para ele, e não evitei sorrir ao ver a sua expressão, como se eu fosse o bicho papão ou alg do tipo. — Eu irei — Alice pulou no meu pescoço e fiquei com medo de ter torcicolo.

— Então eu vou para o hotel — Jake disse já se despedindo de Carlisle.

— Volte sempre querido — Esme disse o abraçando.

— Sim, sempre que Bella vier — ele lançou um olhar mortal para Edward e foi se despedir de Alice.

— Tchau jake, até depois — ela o acompanhou até a porta e depois subiu as escadas dizendo que ia pegar sua bolsa, enquanto Esme e Carlisle sumiram por algum dos corredores. E eu fiquei ali no ultimo degrau da escada olhando para os meus sapatos.

Silêncio.

Mais silêncio.

Sim estava ficando constrangedor.

— Então — Edward começou a dizer depois de um pigarro. — Você está bem?

Levantei o rosto e ele me olhava com curiosidade.

— Eu estou bem sim, ótima na verdade, e você?

— Levando.

— Hum — murmurei olhando para o lustre.

— Voltei — Alice gritou do alto da escada e eu dei graças à Deus em pensamento. — Nós vamos ao restaurante do Edward — ela quicava enquanto íamos para a porta.

— Então você realizou o seu sonho, bom saber — ele suspirou e caminhamos até o Volvo dele, seu xodó.

— Sim realizei, depois de muito tempo.

— Dois anos — Alice disse entrando no carro no banco de trás, sim ela me obrigou a sentar no banco da frente. Só não mato ela porque ela é a noiva.

— Alice — ele disse em tom de reprovação.

— O que foi? — ela fez cara de inocente e eu olhei pela janela enquanto saiamos da propriedade dos Cullens.

— Você sabe muito bem então pare de falar coisas que não devem ser ditas — Edward disse com raiva na voz, mordi o lábio e fiquei com medo de arrancar um pedaço.

— Então Bella, nem conversamos direito — Alice apoiou a cabeça no encosto do meu banco. — Como vai a vida em Miami?

— Bem, to viva isso é importante. Me alimento, e tenho uma casa para morar. E um emprego legal.

— Legal — ela bufou. — E o seu sonho de abrir uma galeria? Nem disso você correu atrás, e trabalha como secretária.

— Alice — agora foi minha vez de falar com um tom de reprovação.

— Ai vocês são chatos sabia, não gostam que eu fale a verdade.

— Então não fale nada — Edward e eu dissemos ao mesmo tempo, revirei os olhos quando Alice soltou uma risadinha no banco de trás. Mais alguns minutos de silêncio, até que Edward falou.

— Chegamos — parou o carro, em frente ao seu restaurante.

Desci do carro e Alice correu para segurar meu braço, mas eu estava em choque com o nome do restaurante La Casa di Bella.

— O nome é o mesmo que você escolheu há 4 anos — murmurei e senti uma Alice feliz do meu lado.

— Sim, resolvi deixar assim. — Edward disse indo em direção à pequena escada da entrada. — Vamos que eu tenho muito trabalho hoje.

— Viu, ele nunca esqueceu — Alice sussurrou em meu ouvido.

— Alice eu só não te dou um tabefe porque ficaria com o rosto marcado para o casamento — sussurrei e ela fez bico.

— E você continua chata igual a ele.

Revirei os olhos, não adiantava discutir com Alice.

Edward nos indicou uma mesa, e passamos umas 2 horas experimentando petiscos, pratos para jantar, bebidas, doces, bolos, tortas, docinhos… Por fim Alice recebeu uma ligação de sua costureira e tinha que ir lá urgentemente para ver uma coisa do vestido, saiu do restaurante feito uma bala. Fiquei porque ainda faltavam algumas tortas, quando terminei estava praticamente estufada.

— Me sinto uma baleia — murmurei.

— Você está ótima — Edward disse e eu corei. Ódio.

— Ham, obrigada.

Olhei para o outro lado do restaurante e escutei ele suspirar.

— Eu queria conversar com você — ele disse e eu balancei a cabeça.

Ele não percebe que eu não quero entrar nesse assunto há 3 anos? Se eu quisesse conversar não teria ido para Miami.

— Eu não quero conversar Edward, estamos bem assim, não estrague isso — levantei pegando minha bolsa e caminhando para a saída do restaurante. Uma chuva de verão caia, e os primeiros sinais de que já estava anoitecendo, tomaram conta do céu.

— Bella está chovendo não saia.

— Não sou feita de açúcar — abri a porta e sai molhando-me completamente.

— Bella eu quero falar com você — ele me seguia enquanto eu procurava um táxi fora daquele restaurante.

— Não tenho nada para falar com você Edward — andei mais rápido avistando um táxi se aproximar.

— Você nunca me deu chances de explicar — ele segurou meu braço.

Virei olhando dentro dos seus olhos verdes, que me transmitiam um sentimento que eu não estava com vontade de cair novamente.

— Quem disse que eu quero ouvir suas explicações Edward? — tentei soltar meu braço e ele me puxou para mais perto.

— Você vai me escutar, querendo ou não, Isabella Swan. Sempre teimosa — seu hálito me deixou tonta.

Oh Deus, estou perdida.

— Por favor Bella — ele sussurrou. A água da chuva caia por seus cabelos, cobrindo seu rosto.

— Tudo bem, mas me solte — soltando meu braço ele me levou de volta ao restaurante, e caminhou até um escritório.

— Vou pegar uma toalha para você, tenho algumas aqui — ele entrou em um pequeno banheiro e rapidamente voltou com duas toalhas, me entregando uma.

— Obrigada — murmurei secados meus cabelos.

— Por nada, agora posso falar?

— Pode, eu irei escutar tudo Edward, mas eu te aviso que nada vai mudar.

— Mas eu queria que mudasse. Sim eu cometi um erro horrível. Na noite anterior Emmett e Mike, me levaram para um bar, e bebemos alem da conta. Você sabe que eu sempre fui muito fraco com relação a bebidas alcoólicas e que se eu bebesse demais não consigo conter o que faço.

— Sim eu sei. Lembro do baile de formatura da Faculdade, que você bebeu demais e brigou com o reitor, seu pai, bateu em Tyler, e no outro dia nem sabe como tudo aconteceu.

— Exatamente. Depois do 5º copo de whisky não lembro do que aconteceu na noite da minha despedida de solteiro. Só me lembro de acordar, tentar distinguir quem era a pessoa na minha cama, entender como parei ali e perceber o erro que eu havia cometido. Segundos depois você abriu a porta, e resto você sabe.

— E como sei — suspirei olhando para baixo. — Edward, se você já sabia como reagia a bebida por que bebeu?

— Mike e Emmett me fizeram beber, quando me encontraram já estavam bêbados. Meus melhores amigos poxa, eu não vi como recusar.

— Se Mike e Emmett te dissessem para pular de uma ponte você iria Edward?

— Não — ele murmurou e passou a mão pelos cabelos molhados. — Mas isso é diferente…

— O que é diferente? — o cortei já com a raiva tomando conta do meu corpo.

— Bella, eu não parei naquela situação consciente do que eu estava fazendo — seu rosto assumiu um tom de vermelho e os olhos verdes fumegavam.

Fiquei em silêncio, reprimindo as lágrimas nos meus olhos.

— Bella, me perdoe por aquilo, eu nunca faria isso com você, se pelo menos soubesse do que eu estava fazendo.

Olhei para ele e percebi seus olhos cheios de lágrimas e algumas escapando pelo rosto.

— Eu te perdoou Edward, mas como eu disse não vai mudar nada — uma lágrima rompeu o bloqueio dos meus olhos. — Agora eu vou para o hotel, até depois.

Virei para sair daquele lugar, mas ele foi mais rápido e já estava atrás de mim antes que eu alcançasse a porta.

— Eu te amo Bella — ele sussurrou e o calor do seu corpo fez o meu tremer.

— Isso não basta — murmurei sentindo as lágrimas quentes banharem meu rosto gelado.

— Como não basta — ele deu a volta ficando de frente a mim, segurou em meu queixo para que eu o olhasse. — O meu amor não basta para você ver o quão arrependido eu estou, e em que eu nunca quis perder você.

Seus olhos estavam tristes, com as lágrimas caindo delas. O verde morto, não havia brilho ali.

— Edward, um relacionamento não é feito só do amor, mesmo que ele seja a base. Existe uma coisa chamada confiança.

— Confie em mim, eu nunca faria nada para te perder Bella.

— Eu perdi toda a confiança que depositei em você durante 4 anos. Não posso confiar em alguém que se deixa influenciar pelos amigos e para na cama com uma mulher nas vésperas de seu casamento. É demais para mim, eu não suporto.

Fui até a porta e sai sem olhar para trás. Corri em direção a saída, e a chuva já havia passado. Andei pela calçada percebendo um táxi se aproximando. Dei sinal e ele parou, quando entrei ouvi a voz de Edward me chamar ao longe. Fechei a porta sem olhar para trás.

— Para o Shade Hotel por favor.

Edward PDV

Eu sou o maior idiota desse mundo!

Depois de 3 anos eu tenho a oportunidade de conversar com Bella, e tudo vai pelo ralo.

Na verdade eu não estava preparado para isso, porque imaginei que nunca precisaria vê-la novamente. Quando Alice disse que ia convidá-la para o casamento, duvidei que Bella viria.

Por um momento de idiotice, perdi todo o meu futuro. O meu futuro era Isabella Swan. Na verdade ainda é.

O meu restaurante foi idéia dela, e o nome escolhemos sentados no chão da sala do meu apartamento, tomando um frapê de maracujá.

Que tal, La Casa di Bella? — eu disse e o seu rosto se iluminou.

Sério?

Sim, você me deu a idéia do restaurante, então nada mais justo do que homenagear a mulher da minha vida.

Ela pulou em cima de mim, nos derrubando deitados no chão, seus cabelos grandes e sedosos nos cobriram enquanto seus lábios tomavam os meus.

Fechei os olhos com força, e apertei minha mão em minha camisa em cima do meu coração, como se isso fosse arrancar a dor. Meu coração nunca esteve curado e eu nunca estive com outra mulher.

Seria inútil, tentar viver uma vida que não era pra mim. Eu a amava à 3 anos atrás, eu a amo hoje, e sei que amarei cada dia da minha vida. Quando ela se foi, eu perdi o meu chão, minha base. Durante um ano eu não vivi, eu sobrevivi.

Parei o projeto do restaurante e graças ao meu pai, o ponto do restaurante não foi vendido, em um dos meus momentos de loucura.

Quis me desfazer de tudo que me lembrava dela. Eu queria arrancar meu coração e jogar no mar. Mas eu sei que não ajudaria em nada, mesmo que fosse possível, ela estava em todo o meu ser.

Morei com meus pais nesse período, eu não podia ficar só. Falava quando me perguntavam algo. Não saia para nada. Não recebia visitas, tirando Emmett.

Minha rotina era acordar, ficar na cama, almoçar, voltar para a cama, tomar banho, jantar e dormir. Vivi assim até Alice me fazer acordar para a vida e conversar comigo.

Na época ela havia ido visitar Bella, e trouxe fotos das duas para mim. Era a visão da mulher da minha vida com um sorriso nos lábios, mas que não chegavam aos olhos dela. O mar de chocolate estava triste, sem vida, sem brilho. Ver ela assim me feriu, mais do que uma facada no coração.

Prometi naquele dia, olhando a imagem da mulher que eu tanto amava e ainda amo, que eu reuniria forças para viver, e veria aqueles olhos vivos, brilhantes e felizes, mesmo que fosse a ultima coisa que eu visse em minha vida. E aqui estou. Frustrado comigo mesmo e sem rumo.

A verdade me mostrou não ser o bastante.

O amor não era bastante.

Ela queria confiar em mim, mas não podia como ela mesma disse.

‘Eu perdi toda a confiança que depositei em você durante 4 anos. Não posso confiar em alguém que se deixa influenciar pelos amigos e para na cama com uma mulher nas vésperas de seu casamento. É demais para mim, eu não suporto.’

Uma batida na porta me tirou dos meus pensamentos.

— Edward abra essa porta — Alice batia com desespero. — Eu juro que você não abrir isso daqui agora, eu mando Emmett arrombar.

Suspirei indo até a porta abrindo-a.

— O que você fez com ela Edward?

— Com o que…

— Edward, o que você falou com a Bella? Acabei de ligar para ela perguntando onde ela estava, e sua voz estava embargada.

— Embargada?

— Sim, ela estava chorando, ela soluçou, mas eu fingi que não escutei porque sei que ela não iria me contar. Agora você vai me dizer exatamente o que disse a ela.

Afundei na minha poltrona.

— Eu disse tudo.

— Defina tudo Edward Anthony Cullen.

Sentei na minha poltrona direito, esfregando as mãos nos olhos.

— Tentei conversar com ela, mas eu fui desastre.

— Eu tenho certeza disso — Alice sentou na cadeira em frente a minha mesa, pousando os cotovelos nela. Seus pequenos olhos verdes me fitaram. — Agora diga.

Expliquei tudo para ela, o que eu disse, o que Bella disse, e ela quase tacou sua bolsa em minha cabeça.

— Homens, sempre serão homens. Óbvio que você falar que a amava não ia ajudar Edward, aqui estamos lidando com uma traição, mesmo que você o tenha feito sem se lembrar de nada, mas não deixa de ser uma traição. Você precisa reconquistar a confiança que ela tinha em você.

— Eu não estava preparado para conversar com ela Alice, eu fiquei nervoso.

— Eu sei, por isso você vai ter que se aproximar dela Edward, como um amigo, ela tem que ver que você realmente se arrependeu, e que quer ter ela por perto.

— Eu a amo tanto — sussurrei sentindo meus olhos queimarem. Não tinha vergonha de chorar, muito menos na frente de Alice.

— Ela também te ama, mas como ela mesma disse: amor não é o bastante. Bella precisa confiar em você novamente.

~x~

Eu precisava me reaproximar da Bella, para conseguir a confiança dela de novo. De acordo com a minha irmã, eu tinha que começar sendo amigo dela. Ser só amigo da Bella será tão difícil.

Só de olhar para ela, um mar de imagens do passado tomavam conta da minha mente.

Droga!

Por que eu fui tão burro?

Poderia ter ela ao meu lado, todos os dias, era menos de 24 horas para ela ser minha diante da lei e diante de Deus. E o que eu fiz? Bebi demais. Eu realmente sou um idiota.

Passei minhas mãos em meus olhos e suspirei. Hora de trabalhar. O restaurante já recebia seus primeiros clientes da noite, e eu ia para a cozinha. Mesmo sendo o dono eu gostava de estar ali, como um Chef, que eu sempre sonhei ser. Bella sabia disso, eu fiz gastronomia na faculdade, enquanto ela fazia Artes Plásticas. O sonho dela é ter uma galeria, e com minha burrice ela não chegou a abrir.

Na época que ela teve a idéia do restaurante, começamos a fazer projetos para os nossos sonhos. Sua galeria ia ser aberta no centro de Los Angeles, em um bom ponto. Íamos resolver tudo depois do casamento, e bem, não chegamos nessa parte.

Pela primeira vez senti vergonha de ter o que eu tenho. Vergonha de ter meu restaurante, e ver Bella sem o seu sonho. Na minha vida, o que ela queria vinha em primeiro lugar.

Foi assim com a galeria. Queria ver ela feliz com isso, mesmo que Bella tenha insistido para abrirmos primeiro o restaurante…

Amor, eunão acho certo, é o seu sonho — ela resmungou em meus braços. Estávamos no meu apartamento, enroscados em um cobertor, nos aquecendo com nossos corpos.

Mas é o seu também — deu um beijo na ponta do seu nariz. — E eu quero realizá-lo primeiro, e depois o meu restaurante.

Mas amor…

Sem mas — a interrompi cobrindo seus lábios.

Meu coração se apertou com a lembrança e me peguei encostado na parede da cozinha. Emmett me olhava ao longe, ele era meu primo e gerente, e sabia o por que de estar assim. Lutei contra a ardência em meus olhos. Teria 5 horas de trabalho pela frente, e precisava me concentrar.

O restaurante estava movimentado, como todos os dias. O local era bem conhecido, tinha ótimas criticas. Famosos de Hollywood passavam por aqui com certa freqüência. Paparazzis sempre estavam esperando por um clique, e a fama do meu restaurante me levou a ser alvo de alguns desses sanguessugas, mas não era sempre.

Por volta das 8 da noite, Alice entra saltitando na cozinha. Parecia uma pulguinha. Fiz sinal para ela esperar um pouco, e terminei de preparar um prato. Ela estava impaciente e eu percebi que ai tinha coisa.

— Pronto Alice fala.

— Tem uma pessoa aqui no restaurante que eu com meu poder de persuasão, consegui trazer pra cá.

— Ham, quem?

Ela revirou os olhos e me puxou até a porta da cozinha, apontando para uma mesa em um canto reservado. Não podia acreditar no que eu via. Bella estava sentada olhando para um copo de vinho na sua frente.

Ela levantou o rosto e nossos olhos se cruzaram. Mordendo o lábio, ela deu um pequeno sorriso, que eu retribui.

— Ela decidiu conversar com você, eu disse para ela que você não estava pronto para conversar, estava nervoso mais cedo, mas que agora vai ser mais calmo. Então a trouxe para jantar aqui. Coloque Mike para ser o Chef e vá jantar com a ela. Reservei aquela mesa com Emmett pelo telefone e lá vocês terão privacidade para conversarem com calma.

Sorri abraçando Alice. Eu devia muito a ela.

— Muito, muito, muito, obrigado — ela riu quando a levantei do chão.

— Por nada, agora me desça, Jasper já deve estar chegando e eu sentarei bem longe de vocês. Vá, tire esse avental, esse chapéu.

Quando me virei retirando tudo ela tocou o meu braço.

— E Edward…

— Sim.

— Essa é sua única chance — sorrindo, ela me deu um beijo no rosto e saiu da cozinha.

Sim era minha única chance.

—-

Esse Edward todo arrependido da merda que fez me corta o coração. Tadinho :( Mas fez por merecer né? Conciente ou não, ele fez… Será que Bella va perdoar ele de vez depois dessa conversa? *-* COMENTEM QUE EU POSTO CAPÍTULO EXTRA NO FIM DE SEMANA ;*

About these ads

Ações

Informação

4 respostas

19 01 2012
ciça

estou adorando.bjs… quem ama sempre perdoa.

19 01 2012
jeisy

Haaaa amei posta mais ….
Linda a historia estou fascinada …

20 01 2012
Laura

AMEI, TO ME VICIANDO *-*

21 01 2012
Joyce

Muito lindo, véi. Tadinha da Bella :s

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: