Closer – Capítulo 28

27 10 2010

POV ROB

 

Eu havia aceitado o convite das garrafas do bar do hotel, e estava neste momento bebendo para esquecer o mundo. Quão miserável é a vida de quem chora para o próprio reflexo no copo de wisky. Para a minha defesa, era apenas o terceiro copo. Mas, o que eu podia fazer? Kristen estava me esperando no quarto, e eu havia comprado outro anel para ela. Basicamente, quando eu subisse, acabaria de uma vez por todas com essa briga, e pediria para ela passar o resto da vida ao meu lado. Com um anel comprado por mim. Não. Uma aliança. Com o meu nome nela.

 

Eu estava com um medo do caralho de como conversar com ela de novo. De como ela reagiria. Meu coração e minha mente estavam completamente divididos. Uma hora eles me mandavam esquecer tudo, e acabar com a distância entre nós de uma vez, puxando a para mim, e sentindo como nossos corpos eram moldados perfeitamente para caber um no outro. Mas na outra hora, eles viravam o jogo, e me lembravam de toda a dor que eu senti quando ela se foi. O trapo que eu virei quando ela fechou a porta naquele hotel, e saiu da minha vida levando minhas forças com ela. Eles não entravam num consenso, e me deixavam fudido, sem saber o que fazer.

 

Levantei do banco e fui para o quarto. Seja o que tiver que ser. Vou para cima, e conforme as coisas forem acontecendo, eu decido o que fazer. Vamos descobrir qual parte o álcool inibiu, e qual foi aflorada.

 

Entrei no quarto, e Kristen saiu de cima da cama, andando até mim com uma das minhas camisas.

 

Fudeu.

 

Ela parou próxima de mim, e aquele cheiro delicioso começou a afetar o meu cérebro. Meu coração começou a palpitar, e eu fiquei esperando qual decisão eles tomariam.

 

Ok, eles optaram por achar que vê-la assim tão a vontade foi rápido demais. Meu corpo virou, e voltei a andar para a porta.

 

“Rob, espera!”

“Kristen eu… Eu não consigo. Eu tenho que ir.”

 

Era muita tentação, vê-la com minha roupa em seu corpo, e não poder tocá-la. Quer dizer, eu poderia, mas não seria certo. Eu ainda estou confuso, não quero fazer a escolha errada. Não bebi o suficiente para afastar minhas inibições, meus medos e dúvidas, e me agarrar a ela de uma vez.

 

“Não. Se você sair por essa porta, não se dê ao trabalho de voltar.”

 

Ela… Ela me surpreendeu agora. Como assim não voltar? Ela é… Minha dona, agora? Mas que diabos, sim, claro que era! Mas nesse momento, isso pouco importava.

 

“O que é isso agora? Que direito você acha que tem de falar comigo assim?”

 

“Eu sou sua noiva?”

 

Não, ela ainda não era a minha noiva. Eu pretendia fazê-lo em pouco tempo.

 

Noiva.

 

Senhora Pattinson.

 

Kristen Jaymes Stewart Pattinson.

 

“Por favor, me perdoa. Me permita te mostrar o quanto eu me arrependo, o quanto eu ainda te amo. Eu nunca deixei de te amar.”

 

“Kristen eu…”

 

“Não, espera. De verdade. Eu quero que tudo volte a ser como era antes. Não quero mágoas entre nós. Diga-me o que tenho que fazer, o que posso fazer, como eu devo agir para ter você só para mim de novo.”

 

“Kristen, não…”

 

Agarrei meus cabelos exasperado. Porra, porque é tão difícil resolver o que eu quero? A mulher da minha vida está implorando por mim, e eu não consigo me render a ela. Que caralho!

 

Mas por que ela teve que me enganar? Por que teve que me magoar tanto? Será que ela acha que foi fácil, o baque de vê-la saindo daquela forma, jogando na minha cara que não me queria mais? A gente podia ter conversado, podia ter resolvido de outra forma. Mas não, ela fez da pior forma possível.

 

Fiquei vagando pelo quarto, e fui me encostar na janela, para ver o tempo passar.

 

Pelo canto do olho, vi Kristen estendendo a mão com o anel que eu havia dado a ela.

 

“Eu realmente pensei que poderia funcionar, mas desta maneira eu não quero. Eu quero tudo ou nada. Você é o meu tudo, mas parece que eu não sou suficiente mais para você. Então você está livre para seguir o seu caminho. Eu ensinarei o seu filho a te amar como eu te amo, e não se preocupe, é a você que ele vai chamar de pai.

 

Ela chorava. Ouvi a voz dela fraca e partida enquanto ela falava, e aquilo quebrava o meu coração.

 

“Rob, por mais que eu te queira, talvez seja tarde demais pra nós dois, então siga o seu caminho, seja feliz.”

 

Ela estava me dizendo adeus de novo.

 

Ou era eu quem estava, dessa vez? Minha indecisão estava nos afastando.

 

Não, não, não. Eu não podia deixar isso acontecer. Mas que caralho! Porra!

 

As lágrimas começaram a sair de meus olhos, e eu chorei copiosamente.

 

FODA-SE!

 

Peguei as mãos de Kristen nas minhas, e a puxei para mim.

Eu não podia deixá-la ir embora. É claro que não! Eu a queria! Mais do que a queria, eu precisava dela para viver. Eu a amo, a adoro, a venero. Não havia como passar mais um dia sem o sorriso dela para mim. E eu iria explodir sabendo que agora por minha causa, eu seria privado de uma das mais lindas imagens do mundo, o sorriso da minha pequena para mim. Eu não podia deixar isso acontecer. E não iria.

 

“Dane-se o mundo e o meu medo de quebrar a cara outra vez Foda-se nossa briga Kristen! Não consigo viver sem você! Não adianta! Que o tempo cure os machucados do meu coração sozinho, porque da minha parte, sinceramente, eu não posso mais ficar sem você ao meu lado. Eu te amo, porra!”

 

Olhei para a boca dela, e fui automaticamente levado a beijá-la.

 

Não era um beijo Edward e Bella como demos nas gravações. Era um beijo Robert e Kristen. O BEIJO MAIS FODA DO MUNDO! O beijo que eu esperei todos esses dias para ter de novo.

 

Caralho, eu senti falta disso como eu nem posso explicar.

 

E não foi só disso que eu senti falta.

 

Eu beijava Kristen selvagemente, colocando toda minha frustração e saudade por ter perdido o contato entre nossos corpos.

 

Nos levei lentamente até a cama, e pressionei ainda mais o meu corpo ao dela. Quando Kristen separou nossas bocas para respirar, o que eu tinha esquecido que era necessário, beijei o pescoço dela, e, porra, ela começou a gemer na minha boca. Aquele som não se parecia em nada com o distorcido que eu havia gravado na minha memória. Era mil vezes melhor, mil vezes mais excitante.

 

Mas… E o bebê? Será que a gente podia ir em frente? Não ia ter algum problema, com ele lá dentro?

 

“Será que a gente pode…?”

 

“Rob, o quanto você bebeu?”

 

O que isso tem a ver agora? Ela está achando que eu estou pedindo autorização para ir para cama com ela? Bom, não seria estranho, afinal. Mas não era aquilo.

 

“Eu bebi, mas não o tanto que você acha que eu bebi. E sim eu estou perguntando se a gente pode transar por causa do bebê.”

 

“É claro que a gente pode. Se você quiser, é claro.”

 

“Sua pequena provocadora!”

 

“Rob, eu te quero. Faz amor comigo?”

 

Se faço? Sim, faço! E muito mais! Você é minha Kristen Stewart, e nunca mais vou deixar você sair de perto de mim.

 

“Sempre e pra sempre. Mas antes, eu quero fazer uma coisa.”

 

Levantei da cama, e fui pegar a aliança que já havia guardado no criado mudo.

 

“Volta aqui! Robert Thomas Pattinson!”

 

Kristen gritou, e eu ri. Como se eu pudesse fugir dela.

 

Parei ao lado da cama, e a fiz ficar de pé, me ajoelhando aos pés dela em seguida.

 

Quando eu decidi que essa era a hora certa para fazer isso? Não sei. Mas eu sei que isso tinha que ser feito, e que eu o faria.

 

“Kristen, eu quero fazer direito desta vez. Eu estou aqui porque eu te amo e eu quero você na minha vida. Quero dormir e acordar ao seu lado todos os dias e amar e educar junto com você essa criança que você carrega. Então, por que eu te amo, e minha vida não existe sem você, casa comigo?”

 

Eu esperei tanto para fazer isso, que quando o fiz, chorei mais uma vez. Mais do que ela. Porque agora era o meu pedido real. Eu pedia para aquela mulher, a minha pequena, o amor da minha vida, a mãe dos meus filhos, passar a vida dela comigo, compartilhar os momentos dela comigo, envelhecer ao meu lado. E com o nosso filho. Porra, que orgulho! Um filho. Uma família. A [b]minha[/b] família.

 

“Eu não poderia querer outra coisa.”

 

“Isso é um sim?”

 

“Sim, Robert Pattinson, é um sim. E só pra constar, da primeira vez, eu aceitei por que eu te amo e eu vi uma chance de te ter de volta…”

 

Eu não queria mais saber daquilo. Passou, chega. Éramos um só de novo. Não literalmente, mas eu mudaria isso em alguns minutos.

 

“Você sabe exatamente o que faz comigo quando veste uma roupa minha, não sabe?”

 

Puxei a camisa que ela vestia, e como um selvagem, a joguei para longe.

 

Eu já fui romântico por tempo demais, e a visão dela me tentando com a minha camisa e aquela minúscula calcinha por baixo, não estava cooperando nada para que eu continuasse assim.

 

“Eu não sei do que você está falando.”

 

Kristen resolveu sorrir me provocando. Caralho, meu pau estremeceu, e a calcinha dela voou para junto da camisa.

 

“Louco, é assim que eu fico.”

 

“Rob… por favor!”

 

“Hum?”

 

“Tira a roupa, eu preciso te sentir. Dentro de mim. Agora.”

 

Mas que porra, eu ainda estava vestido! Como um louco, comecei a tirar minha roupa, e como um desastrado, tropecei enquanto puxava as peças de mim de qualquer maneira.

 

Acomodei-me no meio das pernas de Kristen, e me preparei para desesperadamente matar minha saudade dela. Eu queria ir rápido, e acalmar o meu desejo de uma vez. Mas fiz ao contrário, entrei nela lentamente, me sentindo em casa novamente quando suas paredes quentes me envolveram, e Kristen gemeu como uma saudação de boas-vindas.

 

“Ah Rob… eu achei que nunca mais… Eu morri sem você…”

 

E eu sem você, Kristen.

 

Enquanto fazíamos amor, fiz questão de sussurrar no ouvido de Kristen o quanto a amava, e o quanto senti falta dela. Senti seu corpo tremendo sob mim, e como bem a conhecia, sabia que ela estava a ponto de gozar.

 

Eu queria vê-la gozando para mim de novo. Queria ver seu momento de êxtase enquanto ela gritava meu nome. Enquanto ela dizia quem estava de volta ao comando daquele corpo gostoso dela.

 

“Fala o meu nome… Eu quero ver você gritar o meu nome enquanto goza.”

 

Eu já estava louco para gozar, e vim logo depois de ver aquela maravilhosa mulher gemendo por mim.

 

Dormi depois de puxá-la para mim, com as costas contra o meu peito, e enterrar o meu rosto nos cabelos dela.

 

Não queria mais que ela saísse dali.

 

Dormi tão bem como não havia dormido desde… Enfim, desde que aquela porta foi fechada.

 

Acordei antes de Kristen, e fiquei apoiado em um braço, debruçado em cima dela, espiando-a dormir.

 

A mão que eu havia colocado sobre a barriga dela ainda estava lá, e eu comecei a acariciá-la, como se aquele gesto avisasse ao nosso filho que eu estava ali. Que ele não precisava se preocupar, porque a família dele estava junta de novo. E assim permaneceria.

 

Escorrei a mão um pouco para baixo sem querer, e Kristen soltou um gemido.

 

Pronto. O momento inocente se foi.

 

Avancei um pouco mais com a mão, e, caralho, descobri que ela já estava molhada.

 

Cheguei um pouco para trás, e o corpo de Kristen escorregou para trás junto, deixando a deitada de barriga para cima. Nua.

 

Puxei o resto de coberta que ainda estava nas pernas dela, e me posicionei entre elas, para acordar Kristen de um  modo não muito convencional. Mas muito gostoso.

 

“Rob…”

 

“Oi?”

 

“Você quer me matar?”

 

“Não amor… eu quero você muito viva… saudade de sentir o seu gosto.”

 

“Oh god… eu vou… Rob!”

 

“Isso!”

 

O corpo de Kristen foi ficando mole, e muito cedo, ela soltou seus dedos apertados do meu cabelo.

 

“Minha vez, gostoso. Deita. Eu também estou morrendo de saudade do seu gosto.”

 

Claro que eu deitaria.

 

Meu pênis já pulsava desesperado.

 

“Porra, Kristen, que saudade dessa boquinha me chupando!”

 

Eu já estava louco com aquilo, meu pênis entrando, e saindo da boca de Kristen.

 

A vi levando uma mão para se tocar, e não ia deixar que ela fizesse aquilo. Não mais. Eu estava de volta, [b]eu[/b] daria prazer a ela agora. Ela não precisava mais daquilo.

 

“Ahhhhhh assim você me mata. Fica de quatro.”

 

Saí da cama e me posicionei atrás dela. Gemi de prazer só ao vê-la naquela posição esperando por mim.

 

Empurrei para dentro de Kristen, e ela rebolou para me receber.

 

“Isso, rebola gostosa. Agora eu quero ver você se tocar. Vai amor, me deixa louco de vez.”

 

Gozei urrando como um animal, um pouco depois de Kristen me apertar dentro dela.

 

Kristen caiu para frente na cama, e eu fiquei atrás, me apoiando para não machucá-la.

 

“Amor, isso foi incrível. Sinto tanto, que…”

 

Olhei para o rosto dela, e seus olhos estavam fechados. Ela havia dormido de novo.

 

Nos arrumei na cama novamente, dessa vez a deixei deitada de frente para mim, e puxei o edredom para nos cobrir.

 

“Boa noite minha vida. Eu vou cuidar de você e do nosso bebê. Durmam bem, meus amores.”

 

Fiquei olhando para ela dormir, e peguei no sono em alguns minutos.

 

POV Kristen

 

Acordei com uma claridade irritante. Abri lentamente os olhos e vi que o que me incomodava era uma fresta da cortina aberta e o sol vinha direto no meu rosto. Ao me virar na cama para ficar de costas pra janela, percebi que estava sozinha. Onde ele estava? Deus, só espero que ele não tenha acordado e percebido que fez uma burrada enquanto estava bêbado. Não. O que tivemos foi muito real, ele estava lá de corpo e espírito. Ele me amou. Mas onde ele está?

 

Foi então que eu senti um cheiro que fez meu estômago dar um salto mortal. Cigarro. Nem pude ficar aliviada por Robert estar ali ainda, não deu tempo. Tive que correr até o banheiro.

 

E é claro que logo ele estava lá, ajoelhado ao meu lado.

 

“ Rob, por favor, sai daqui.”

 

“ Eu não vou discutir isso com você novamente. Eu não vou sair.”

 

“ Eu não agüento o seu cheiro, o cigarro…” O vômito interrompeu a minha frase.

 

Robert deu um salto pra trás.

 

“ Me desculpe, eu… não sabia.”

 

Ele saiu do meu lado e entrou no chuveiro, de roupa e tudo. Me levantei, escovei os dentes e lavei o rosto.

 

“ Esqueceu de tirar a roupa?”

 

“ Nem pensei, na verdade. Vem aqui me ajudar a tirar.”

 

“ Rob, eu não agüento, estou me sentido muito fraca.”

 

“ O que você tem? Quer que eu te leve para o hospital?”

 

Ele já ia saindo do chuveiro sem ao menos ter tomado banho.

 

“ Hey, calma, eu estou bem. Nada que uns biscoitinhos não resolvam.”

 

“ Benditos biscoitos. Você tem certeza?”

 

“ Sim. Agora toma banho direito se você quer que eu chegue perto de você.”

 

“ Ok, chegou a hora de largar aquela porcaria.”

 

“ Eu não estou dizendo que você tem que parar de fumar, só pra não fazer isso perto de mim.”

 

“ Bem, digamos que é um programa de incentivo, já que eu não quero sair de perto de você…”

 

“ Seu bobo. Agora sai daí que eu quero tomar banho também.”

 

“ Pode vir, eu prometo que não vou fazer nada. Me deixa lavar os seus cabelos?”

 

“ Você está meio gay hoje, Pattinson.”

 

“ É assim que você agradece o meu carinho? Sua ingrata.” Levou a mão à porta de vidro, pronto pra sair,e acho que era só cena, mas resolvi não arriscar.

 

“ Vem cá, eu adoraria que você lavasse os meus cabelos. Mas antes eu queria um beijo de bom dia…”

 

“ Hum, acho que isso eu posso resolver.”

 

Robert me puxou pela cintura e afastou alguns fios de cabelo dos meus olhos e me beijou. Na testa.

 

“ Que merda é essa? Eu não sou  sua irmã.”

 

“ Definitivamente eu não tomaria banho com nenhuma das duas.”

 

O engraçadinho ria de mim e eu me irritei.

 

“ Sai daqui. Me deixa tomar banho.”

 

“ Hum, acordou de mau humor, é? A noite não foi boa?”

 

“ Não. Foi péssima, na verdade.”

 

“ Não foi o que os seus gemidos expressaram.” Dito isso ele me beijou com vontade e o banho foi mais demorado do que eu planejei.

 

O nosso dia seria movido por uma palavrinha mágica [i]folga[/i]e Robert me levou em um parque, o mesmo que serviu de locação em Lua Nova. Sentamos lá como um casal normal por horas, rindo e comendo besteiras.

 

“Kris?”

 

“Hum?” – Robert estava encostado em uma árvore e eu deitada com a cabeça eu seu colo.

 

“Você está indo em algum médico? Quer dizer, tem toda aquela história de pré-natal…” – Ele levou a mão à minha barriga, como quem diz, estou aqui bebê.

 

“Na verdade, aquele médico que me atendeu me pediu pra voltar em três semanas, então eu já deveria ter feito uma consulta, mas eu fico adiando, acho que porque eu queria você lá comigo.”

 

“Eu teria ido com você, Kristen.”

 

“É, eu sei…”

 

“Vamos marcar a consulta. Você tem o número?”

 

“Está aqui na minha bolsa em algum lugar, espera um pouco.”

 

“Nunca mais…” – Ele ria copiosamente de mim.

 

“Para de rir e faz alguma coisa de útil.”

 

Robert tomou a bolsa de mim e literalmente virou na grama.

 

“Pronto, agora é mais fácil. Realmente não entendo porque você guarda tanta porcaria aí dentro.”

 

“Achei! E o que tem na minha bolsa não é da sua conta.”

 

“Me dá aqui que eu ligo.” – Pegou o cartão da minha mão ainda rindo como um bobo.

 

Poucos minutos depois, com tudo combinado para entrarmos pelos fundos e irmos direto para o consultório… estas coisas de sempre, a consulta estava marcada para o dia seguinte.

 

“Rob?”

 

“Sim?”

 

“A gente tem que falar com o Wyck.”

 

“Eu vou. Deixa comigo.”

 

“Por que só você?”

 

“Porque se eu tiver que mandar alguém para casa do caralho, não quero você lá para se estressar.”

 

“Engraçado, até ontem, você só me dava patada e não parecia preocupado com o meu nível de stress.”

 

“Eu estava magoado, Kristen. Estava querendo provar para mim mesmo, que eu podia viver sem você.”

 

“Não conseguiu, como eu.”

 

“Falhei miseravelmente.”

 

“E eu agradeço por isso.” – Sentei na frente dele e me aproximei devagar até encontrar seus lábios. Ele me beijou delicadamente.

 

“Vamos? Está ficando tarde.”

 

 

Chegamos no hotel, já anoitecia e eu estava faminta por ter passado o dia comento porcaria, mas eu queria pizza e precisei convencer meu agora-preocupado-com-que-eu-coma-comida-saudável

noivo. Depois de muito beicinho, ele pediu a pizza, depois de eu prometer recompensá-lo, o safado.

 

Tomamos banho separados, porque o entregador não iria ficar lá fora duas horas esperando se fôssemos juntos para o chuveiro. Quando eu saí do banheiro, Robert estava jogado no sofá, parecia exausto.

 

“Cansado, amor?”

 

“Um pouco. Caminhar no parque pode ser bem cansativo.”

 

Me aproximei mais dele e beijei seu pescoço, e fui subindo devagar então sussurrei no seu ouvido.

 

“Hum, então vou ter que deixar a recompensa para outro dia…”

 

“Nem pensar!” – No mesmo instante me puxou para cima dele, e me atacou com um beijo desesperado. Suas mãos desceram pelas minhas costas até a minha bunda. Então ele me pressionou contra ele.

 

“Está sentindo? Somente a sua voz já me deixa louco de tesão. Não se atreva a me deixar assim.”

 

Robert então se sentou comigo em seu colo. As mãos foram pra barra da minha blusa de pijama e lentamente ele começou a tirá-la. Assim que a blusa passou pela minha cabeça, alguém bateu na porta. Eu comecei a rir.

 

“Não tem graça.”

 

Robert bufou, mas foi buscar a pizza enquanto eu vestia a blusa. Depois de praticamente devorarmos a pizza, fomos pra cama assistir a um filme. Não encontramos nada de interessante e a TV já estava me deixando com sono.

 

“Rob, eu vou dormir.”

 

“Não, primeiro você tem que cumprir a sua parte do acordo da pizza.” – Disse já rolando na cama até parar em cima de mim.

 

“Me beija?”

 

“Eu posso fazer esse sacrifício…” – Sua boca estava encostada na minha, me provocando.

 

“Sacrifício, e? Sai de cima de mim e vai dormir.” – Até tentei empurrá-lo, mas não consegui o mover um centímetro.

 

“Não, até você me dar o que eu quero.” – Ai Deus aquela boca no meu pescoço, descendo até os meus seios… Quando senti sua língua nos meus mamilos, desisti daquela luta boba e me entreguei.

 

Ele se movia lentamente, roçando sua ereção nos meus quadris, e aquilo era pura provocação. Mas eu não estava mais ligando. Nossas roupas foram rapidamente descartadas e deixamos o desejo nos guiar. Robert entrava e saía de mim de maneira lenta e torturante, e logo aquele ritmo já não era suficiente.

 

“Rob, mais…”

 

“Mais o que, amor?

 

“Rápido… e forte… hum”

 

“Assim? É isso o que você quer?”

 

Ele então começou a estocar de maneira alucinada e eu não demorei para ver tudo explodir em estrelas na minha frente. Ele estava perto…

 

“Vem, Rob… goza dentro de mim… eu quero te sentir…”

 

“Arg! Você ainda me mata! Eu te amo.”

 

Nos deitamos lado a lado, Robert encarava o teto. Seu semblante de repente ficou sério.

 

“O que houve?”

 

“Nada, só pensando.”

 

“Em…?”

 

“Na vontade que eu tenho que tudo dê certo, que a gente saiba o que está fazendo.”

 

“Eu sei o que eu estou fazendo. Você não?” – Será que ele tinha dúvidas de que queria ficar comigo? Meu coração deu um salto.

 

“Não, nenhuma. Eu te amo, não duvide nunca disso. É que é meio assustador pensar que vai ter alguém que dependerá da gente para tudo. Eu não sou exatamente um exemplo a se seguir.”

 

“Que besteira é essa agora? Eu tenho certeza que você será um pai maravilhoso, eu também estou apavorada, mas a gente vai dar conta e nossos pais vão nos ajudar, tenho certeza.”

 

“Você tem razão. Só que é tudo novo, ainda não caiu totalmente a ficha. Eu nunca achei que um dia eu fosse ter  competência pra ter um filho.”

 

“Acredite, você o fez com muita competência…”

 

“Não me provoca…” – Falou já vindo para cima de mim outra vez.

 

“Rob, vai dormir.”

 

“Ok, eu me rendo, também estou exausto.”

 

Robert começou a acariciar minha barriga.

 

“Kris, já dormiu?”

 

“Quase…”

 

“Sua barriga já está diferente, sei lá, mais firme… e arredondada.”

 

“Sério? Achei que era cedo para essas coisas.”

 

“Se é cedo, não sei, mas está diferente.”

 

Se ele continuou a falar, eu não vi…

—–

Gostaram né? Capítulo enooorme!

Comentem loucamente!

Anúncios

Ações

Information

8 responses

27 10 2010
Maah campelo

MuitoOO fofinho *——————-*

27 10 2010
LUISA

CAPÍTULO DIGNO!!!! TODOS OS DIAS TINHA QUE TER ESSE TAMANHO! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK… PERFEITO!!!!

27 10 2010
Susana-PB

GENTE QUE COISA LINDA! ADOREI!!!!!!

27 10 2010
DRI

Gente! que capítulo grande! do jeito que eu gosto!!! dá pra ser sempre assim? kkkkkkkkkkkkkkkkkk.. Amei!

27 10 2010
Vivian

OLÁ! ADOREI ESSE CAPÍTULO MUITO GOSTOSO! ANSIOSA PELO PRÓXIMO!!!!
ESSA FIC VICIA!

27 10 2010
ELEGRINA

GOSTAR É POUCO EU AMEI, ESTA MARAVILHOSO E ESTOU ESPERANDO POR MAIS……..

27 10 2010
pri

maravilhoso e muito grande ,amei ,lindo d++++++++++++++++

27 10 2010
karla

meu jesus pensei que não ia terminar .mais amei muito esse capitulo foi espetacular vc esta de parabéns continui nós surpreendendo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: