Closer – Capítulo 30

29 10 2010

POV KRIS

 

Robert me levou até o quarto, me deitou no meio da cama e foi até o terraço. Logo voltou com o fondue e a tigela de morangos, e os colocou no criado mudo.

Ele me ergueu me deixando na mesma posição que ele estava, sentada em cima dos joelhos. Um de frente pro outro. Nossa roupa foi descartada peça por peça entre beijos, até estarmos os dois nus.

Robert então pegou as duas tigelas e colocou ao seu lado na cama.

“ Agora eu vou comer a minha sobremesa, você.”

Pegou um morango e mordeu. O suco da fruta escapou pelo canto da sua boca e imediatamente eu quis lambê-lo dali, mas não fiz. Ele estava comandando a brincadeira.

 

Levou o morango ao chocolate e cobriu a fruta e veio em minha direção. Eu fechei os olhos, já antecipando o que ele iria fazer.

 

Senti a fruta gelada com o quente do chocolate conta o meu pescoço. Robert passou a fruta pela minha pele devagar, me causando arrepios. Quando estava satisfeito com o seu trabalho, levou o morango à minha boca e deixou que eu o comesse. Logo a sua língua estava percorrendo o caminho de chocolate. A sensação era enlouquecedora. O próximo morango foi parar nos meus seios e Robert demorou bem mais para limpar o chocolate deles.

 

“ Deixa eu comer, também?”

 

Robert assentiu e eu levei o primeiro morango ao seu peito. Quando minha língua o tocou, ele gemeu. O segundo morango, eu passei ao redor do seu umbigo e quando eu abaixei a cabeça pra lamber o chocolate, ele segurou os meus cabelos, me impedindo de ir em frente.”

 

“ Chega de provocação, eu te quero, agora.”

“  Foi você quem começou…”

 

“ E sou eu quem vai acabar com isso.”

 

Então, ele me virou de maneira que ficamos os dois de joelhos na cama, ele atrás de mim. Ele começou a esfregar sua ereção em mim e sua mão me acariciava com maestria. Nossos gemidos se misturavam no silêncio daquele lugar.

 

Logo, ele me segurou pelos quadris e me penetrou e a sensação que aquela posição me trazia, era incrível. Estávamos colados um no outro e o ritmo era mais como uma dança sensual. Não demorou muito para que o orgasmo nos atingisse. Gozamos juntos. Foi incrível.

Depois de alguns minutos, quando já conseguíamos comandar nossas pernas, fomos para o chuveiro retirar o grude que o chocolate virou.

 

Logo depois do banho, fomos para a cama e eu me aconcheguei no meu lugar favorito, seu peito.

 

“ Já dormiu?”

“ Ainda não.”

 

“ o que a minha mãe quis dizer com aquele lance de você fazer o que ela te pediu?”

 

“ Eu estava com esperança que você tivesse esquecido aquilo.”

 

“ Sem chance, amor. Fala.”

 

“ Bem, naquela semana que você foi pra Londres, a sua mãe me ligou.”

 

“ Como é?”

 

“ Rob, ela estava preocupada com você, com a nossa situação, então ela me fez um pedido e eu achei que devia isso à ela, por ela não me odiar depois de tudo o que eu fiz você passar.”

 

“ E o que exatamente ela te pediu? Algo me diz  que eu não vou gostar.”

 

“ Ela… ela me pediu que quando a gente conversasse, que eu aceitasse as suas condições. Quando você propôs que ficássemos juntos por causa do bebê, eu quis chutar a sua bunda, mas então eu me lembrei da conversa com Clare e percebi que era o meu sim que ela havia pedido.”

 

“ Então você aceitou por ela e não por mim?

 

“ Você pediu pelo bebê e não por mim.”

 

“ Hum… me pegou. Ok, mas não quero vocês duas de segredinho novamente, heim.”

 

“ Se enxerga, Pattz.”

 

[…]

 

Pov Rob

 

“Faça-me o favor de mandá-los para a casa do caralho, se começarem de gracinhas.” – Kristen gritou do quarto.

 

 

Havíamos acabado de acordar, e eu estava no banheiro, terminando de me arrumar para encontrar meia dúzia de engravatados da Summit, que estavam de passagem acompanhando as filmagens. Traduzindo, checando se o bolso deles ainda estaria cheio no fim do mês.

 

 

Saí do banheiro, e me inclinei para beijar Kristen sentada à mesa tomando café.

 

 

“Mais alguma recomendação?”

 

 

“Não deixe que eles deem sugestões de nomes para os bebês.”

 

 

“Não garanto. Eles vão falar, e eu vou ter que fingir estar interessado. Mas nós temos que começar a pensar nisso. Não acha?”

 

 

“Eu já sei.”

 

 

“Como?”

 

 

“Simples. Se tivermos um casal…”

 

 

“Já entendi Kristen, sem piadinhas de Bella e Edward.”

 

“Sem graça!”

 

 

Ri da piada frustrada dela, e me abaixei para beijá-la de novo. Demorando mais dessa vez.

 

 

Com muita relutância, me separei dela, e fui encontrar Stephanie e John na garagem.

 

 

“E aí, prontos?” – Esfreguei uma mão na outra, e os dois riram de mim.

 

 

“Devagar rapazinho, não estamos indo para a guerra.”

 

 

“Ah estamos!”

 

 

John deu um tapinha, um pouco forte demais, nas minhas costas, e me direcionou para o carro.

 

 

Chegamos ao local onde executivos da Summit estavam, e nos sentamos em uma enorme mesa. John sentou à minha esquerda, e Steph à direita. Me cercando. Acho que eles tinham medo que eu socasse alguém após um comentário maldoso.

 

 

A reunião correu as mil maravilhas. Mentira! Foi uma porra chata para cacete! Os homens reclamaram que eu e Kristen estávamos sendo apressados, que não devíamos ter engravidado agora, que as filmagens da Saga não vão parar por nossa causa, que eu devia me acalmar e parar de sorrir deboxado para eles, que John e Stephanie deveriam conversar comigo…

 

 

Basicamente eu voltei para o hotel puto da vida,louco por um cigarro, mas com a missão cumprida. Falei que estávamos juntos novamente (se é que eles sabiam que não estávamos), sobre os nossos filhos, sobre nossos planos de ficar juntos, que agora todos saberiam que estamos juntos…

 

“Quais nomes eles sugeriram, Rob?”

 

 

“Quer mesmo saber?”

 

 

“Que sem criatividade. Eu fiz a piada primeiro.”

 

 

“Não exatamente…”

 

 

“Shiu! Não estrague o meu momento!”

 

 

 

Estávamos nus na cama, e Kristen me calou com um beijo. Puxei seu corpo para cima de mim, e apertei sua bunda, roçando-a na minha já pronta ereção.

 

 

“Eu te amo, Rob. Senti sua falta.”

 

 

“Eu também, meu amor. Eu também.”

 

 

 

[…]

 

 

“Kristen… A porta… Batendo…”

 

 

“Levanta você.”

 

 

“Não…”

 

 

“Pedra, papel e tesoura?”

 

 

Levantamos a mão, e cada um colocou uma coisa.

 

 

“Há! Eu papel, você pedra, literalmente.” – Ela chegou a bunda para trás, e me mostrou sobre o que dizia.

 

 

“Engraçacinha. Você está mais acordada.”

 

 

Enterrei o rosto no pescoço dela, e fechei os olhos de novo.

 

 

Enquanto discutíamos, a porta continuava a tremer, e nossos celulares começaram a tocar juntos.

 

 

“São John e Steph.”

 

 

“Viu Kristen, você já sabe até quem é.”

 

 

“Eita homem preguiçoso de uma porra!”

 

 

“Fico te devendo uma.” – Tirei os braços que estavam em volta dela, e a deixei sair.

 

 

Tentei voltar ao meu sono, mas não consegui. Minutos depois, Kristen entrava sozinha no quarto.

 

 

“Pattinson, levanta, papéis para assinar.”

 

 

“Não posso, Kristen. Estou em estado semi acordado, ou seria semi dormindo?, ainda. Não posso assinar nada.”

 

 

“Nós já entregamos nossas almas quando assinamos com a Summit. Tarde demais para isso. Levanta logo.” – Kristen me puxou pela mão, e me levantou. Passei por ela para ir ao banheiro, e ela apertou minha bunda nua. – “Gostoso!”

 

 

“Comporte-se menina. Temos dois adultos na sala.”

 

 

“Urg!”

 

 

Ri, e fui usar o banheiro rapidamente.

 

 

“O que vamos assinar agora, o testamento?” – Falei chegando na sala.

 

 

Nossos agentes se entreolharam, riram, e espalharam os papéis na mesa.

 

 

Sentei ao lado de Kristen, e empurrei a perna dela com a minha. Ela riu, e empurrou de volta.

 

 

“O que exatamente estamos assinando?”

 

 

“Leia.” – Os três falaram juntos.

 

 

“Ainda estou semi alguma coisa.”

 

 

Kristen rolou os olhos, e me explicou.

 

 

“A mesma coisa de sempre. Publicidade, distribuição de DVD, porcentagem de aparição…”

 

 

“Ah.”

 

 

Assinei tudo que tinha para assinar, e devolvi os papéis.

 

 

“Posso voltar a dormir?”

 

 

“Não. Vocês tem gravação.”

 

 

Claro, esqueci, merda!

 

 

As últimas cenas, na verdade e dentro de alguns dias, teríamos paz e sossego na casa que eu aluguei em Los Angeles. Kristen adorou as fotos. Isolada, no alto de uma colina, Stheph me disse que da sacada do quarto dava pra ver a cidade de Los Angeles e o lago atrás da casa, me lembrava a pousada da ilha. Eu não via a hora de estar lá com a minha pequena.

 

Algumas semanas se passaram desde a assinatura de papéis. Estávamos de volta a Los Angeles, e tanto a minha família, quanto a de Kristen, estavam aqui conosco. Não apenas nossos pais, mas nossos irmãos também. E Tom, Sam e Marcus já haviam ligado, avisando que iam aproveitar, e apareceriam também. Bobby havia acabado de chegar, loucamente vestindo um smoking, e Ash ligou para Kristen alguns minutos atrás, dizendo que estava por perto com Taylor e Dakota, e que dariam uma passada por aqui.

 

Chamei Kristen no andar de cima da casa, dizendo que Jella estava meio estranho, e perguntei o que estava acontecendo.

 

“Por que eu saberia?”

 

 

“Você não os chamou? Para contar sobre os bebês?”

 

 

“Não. Nem você?”

 

 

“Tenha certeza que não.”

 

 

O celular de Kristen tocou no bolso dela, e ela atendeu.

 

“Fala Ash.”

 

 

Kristen soltou um riso de nervoso, e olhou para mim enquanto respondia.

 

“Sem problemas Ash, pode avisar ao Jackson, Peter e Kellan, que eles podem vir.”

 

 

Arregalei os olhos para ela, e peguei meu celular para ligar para Stephanie.

 

 

“O mundo está acabando, e somente eu e Kristen não fomos avisados?”

 

 

“- Por que?”

 

 

“Você falou com John hoje?”

 

 

“- Não, ele disse que iria até a casa de vocês, e nós conversaríamos mais tarde.”

 

 

“Ah claro, John também está vindo. Bem, então, você não quer vir?”

 

 

“- Como?”

 

 

“Nada, nada. Qualquer coisa eu ligo de volta. Até.”

 

 

Kristen já havia acabado a ligação, e estava me olhando.

 

 

“É Pequena, parece que nossos amigos coincidentemente resolveram nos fazer uma visita no mesmo dia.”

 

 

“Vou ter que dobrar a receita da torta… e de todo o resto da comida.”

 

 

“Minha mãe estava te esperando para ensinar a fazer os biscoitos de aveia.”

 

 

“Oh Deus, eu preciso aprender! Sou tão grata à eles! Salvaram a minha vida!”

 

 

“Ok exagerada, vamos descer.”

 

 

Tentei ir, mas Kristen enroscou os braços na minha cintura.

 

 

“Você vai aprender também, não vai?”

 

 

“Pode ser.”

 

 

“Por favor. – Ela choramingou. – Estou louca para te ver de avental naquela cozinha. É tão sexy.”

 

 

“Sério? – Falei beijando a orelha dela.”

 

 

“Sim sim.” – Ela respondeu manhosa.  “Você cozinhando me deixa louca!”

 

 

“Eu? Cozinhando?”

 

 

“Servindo café. Pegando cerveja na geladeira. Que seja, não estraga o clima, seu bobo.”

 

 

“Não podemos ter clima, amor, nossa torcida nos espera no andar de baixo.”

 

 

“Certo.”

 

 

Ela me soltou, e nós descemos para a casa cheia de gente.

 

 

“Bobby, que porra de roupa é essa?”

 

 

“Querida Kristen, eu vou sair depois daqui.”

 

 

“Ah sim.”

 

 

Os irmãos de Kristen vieram com um telefone na mão.

 

 

“Kristen, qual o endereço daqui?”

 

 

“[b]Cameron! Para que, seu louco?[/b]”

 

 

“Pizza, relaxa.”

 

 

“Nós temos comida.”

 

 

“E muita gente também. Anda.”

 

 

Passei o endereço para ele, e fui sentar com o meu pai e o pai de Kristen.

 

 

“Assustado? – John perguntou, apontando a bagunça com a garrafa de cerveja.”

 

 

“Um pouco. É estranho quando ela é na sua casa. Quando você tem que ser o anfitrião.”

 

 

“Espere até serem os amigos dos seus filhos. – Meu pai falou, e eu ri. Eu e os rapazes já demos alguns muitos trabalhos para nossos pais.”

 

 

Foi só eu pensar neles, que eles entraram pela porta. De esmoking também.

 

 

“Porra, meu prestígio está baixo. De quem é a tal festa?”

 

 

“Ninguém que interesse a você.”

 

 

“Cacete Tom! Deixa para lá.”

 

 

Levantei para falar com todos, e apresentá-los ao pai da Kristen.

 

 

Por falar nela.

 

 

“Como vão as coisas aí na cozinha?” – Falei parando na porta.

 

 

“Podiam estar melhores. Quer ajudar?”

 

 

“Quando não tiver platéia, para… Assistir… ao meu desempenho…”

 

 

“Você sabe mais do que abrir a geladeira, Robert.”

 

 

“Desaprendi, mãe.”

 

 

Fiquei apoiado na porta, em uma atitude machista com uma cerveja na mão, observando enquanto as mulheres se moviam pela cozinha.

 

 

Alguns minutos depois, o resto que tinha para chegar, chegou. Todos em roupa de festa. Eu ri. Eles só podiam estar de sacanagem com a minha cara.

 

“Taylor, Dakota, acho que vocês são os únicos em sã consciência nessa casa. Será que podem explicar que porra que está acontecendo?”

 

 

Eles riram, e Dakora falou.

 

 

“Desculpa. Vocês não foram convidados para a festa. Não podemos falar sobre ela.”

 

 

“É da Nikki?” – Eu falei baixo, como se estivesse escondendo alguma coisa de alguém. Eles rolaram os olhos, como se [b]eu[/b] fosse a criança.

 

 

“Seus amigos iriam para uma festa dela?”

 

 

“Bom ponto, Dakota. Então…”

 

 

“Então… Nada.”

 

 

Kristen me pegou pelo braço, e me puxou para cima de novo.

 

 

“John chegou… Com a Stephanie.”

 

 

“O… Que…? Como…?”

 

 

“Não faz idéia?”

 

 

“Claro que não, Kristen. Você acha que eu estou escondendo alguma coisa?”

 

 

“Não sei. Está tudo tão estranho. Vem.”

 

 

Chegamos na sala de novo, e estavam todos de pé conversando com John e Stephanie.

 

 

“Kristen, Robert, cheguem mais perto.”

 

 

Uma terceira pessoa, um senhor, que eu não conhecia, apareceu com eles, e estendeu a mão para nos cumprimentar. Conforme John ia falando, nós íamos nos assustando e os outros riam.

 

 

“Senhor Rosebud, esse é o casal que o senhor vai casar hoje. “

 

 

 

Anúncios

Ações

Information

6 responses

29 10 2010
juliana karine

ah mentira casamento adoreiiiiiiiiiiiiii

29 10 2010
LUISA

que lindo genteeeeeeeeeeeeee!!! AMEIIIIIIIIIIIIIIIIII

29 10 2010
MARIANA

NOSSAAAAAAA QUE FOFO! AMANDO CADA DIA MAIS A FIC!

29 10 2010
ELEGRINA

ESSA FOI MARAVILHOSA …..
ELS CASADO VAI SER MARAVILHOSO, PRINCIPALMENTE ELES SENDO OS ULTIMOS A SABER FOI SENSACIONAL…………………..

29 10 2010
karlla cullen pattz

que lindo que lindo to chorand até agora. robert e kristen casados seria perfeito.

29 10 2010
karla

meu desus que alegria de ver um capitulo tão maravilhoso ameiiiiiiiiiiiiii

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: