Closer – Capítulo 35

1 11 2010

A casa do nanico era perto e logo estávamos na porta dele. Ele atendeu no segundo toque da campainha e me olhou intrigado, mas não teve tempo de perguntar o que eu fazia ali. Eu o acertei bem no meio da cara. Devo ter quebrado o nariz do infeliz, porque o sangue… ele caiu pra trás e Cameron avançou na sala e deu dois chutes no seu estômago.

 

 

“ Isso, seu idiota, é pra você aprender a não mexer mais com a minha irmã.”

 

 

“ Se você chegar perto dela novamente, não vai ser só o seu nariz que eu irei quebrar, entendeu verme?”

 

 

Gemendo de dor, ele fez que sim com a cabeça e nós fomos embora e nem sequer fechamos a porta.

 

 

Quando estávamos quase no carro, quem eu vejo indo em direção à casa daquele desgraçado? Ah, mas hoje a festa seria completa.

 

“ Segundo round.”

 

 

“ O que?” O coitado do Cameron, não entendeu nada, mas agora eu não tinha tempo pra explicar.

 

 

“ Nikki, a segunda vez no mesmo dia, isso é raro.” O veneno escorria da minha língua, mas ela nem percebeu, a burra e veio toda fresca pro meu lado.

 

 

“ Rob, é mesmo. Isso não acontece mais. Você abandonou os amigos depois que…” Acho que ela se tocou da merda que ela iria dizer.

 

 

“ Nikki, por que você foi fazer aquele teste hoje, assim em cima da hora? Porque eu vi as atrizes escaladas e você não era uma delas.”

 

 

Ela olhou para as próprias unhas, de repente muito interessada naquele esmalte horrível.

 

 

“ O meu agente conseguiu em cima da hora. Eu estava mesmo interessada no projeto, me parece muito bom.”

 

 

“ Você acha que vai me convencer com essa conversinha mole? Você sequer se esforçou no teste, Nikki. Você estava lá para tornar o álibi do seu amiguinho ali verdadeiro. Confessa sua…”

 

 

“ Eu não sei do que você está falando.”

 

 

“ Ah, então você não sabe que o Angarano foi na minha casa hoje infernizar a vida da minha mulher? Não seja cínica.”

 

 

“ Quer saber? Sim, ele me disse que queria uma pequena vingança e eu achei que ela me devia também depois daqueles tapas.”

 

 

Eu só não voei pra cima dela, porque o Cameron me segurou.

 

“ Sua vadia. A Kristen teve um colapso por conta da vingança suja de vocês dois. Como vocês tem coragem de tratar dessa maneira uma mulher grávida?”

 

 

“ Você acha que a Kristen é essa donzela em perigo que você pinta, Rob? Eu tenho que admitir que ela é uma ótima atriz. Ela faz de você o que quer. Você é tão patético. Ela aparece grávida depois de vocês ficarem um tempão separados e você já vai casando e adotando a barriga dela.”

 

 

“ O que você está querendo insinuar, sua mal amada? Que os bebês não são meus?”

 

 

Eu já estava a ponto de mandar a educação que o meu pai me deu às favas e partir pra cima daquela cadela.

 

 

“ As palavras são suas, querido…”

 

 

“ Escuta bem o que eu vou te dizer, eu disse o mesmo pro seu amiguinho depois de quebrar o nariz dele. Fica longe da minha família. Coloca nessa sua cabeça que eu a amo mais que tudo nessa vida e que você foi apenas uma foda e olha que mesmo bêbado, eu me lembro de ter tido muitas melhores que você.”

 

 

Ela ficou vermelha de raiva e veio pra cima de mim, com os punhos fechados, então Cameron se antecipou e me carregou pro carro. Eu ainda abaixei o vidro e falei a frase que a deixou roxa.

 

 

“ Você nunca vai encontrar alguém que te ame como eu amo a Kristen, porque você não merece ser amada. Eu tinha que estar muito bêbado mesmo…”

 

 

Cameron apenas sorriu e me levou pra longe dali deixando Nikki Reed bufando e xingando pra ninguém na calçada.

 

 

 

 

 

[…]

 

 

Duas semanas depois nós desembarcamos no Heathrow e seguimos direto pra minha antiga casa onde o jantar nos esperava. Kristen e eu resolvemos ficar em um hotel contra a vontade da minha mãe, até que a nossa casa estivesse pronta. O pobre do arquiteto trabalhava dia e noite para deixar tudo pronto o mais breve possível.

 

 

Enquanto eu tinha reuniões intermináveis sobre as gravações de Bel Ami, Kristen ocupava seu tempo com a decoração da casa e as compras para os nossos bebês. Eu nunca achei que ela teria paciência para essas coisas, mas surpreendentemente, ela estava adorando aquela loucura toda. Um mês depois, finalmente fomos para a nossa casa. Estávamos no final de novembro e o clima frio e úmido de Londres já dava o ar da graça.

 

 

Kristen estava de seis meses e a barriga dela estava linda, apesar de que ela achava o contrário. Pra mim ela estava linda, mas cada vez que eu dizia isso a ela, ela me chamava de mentiroso.

 

 

Naquela noite, eu cheguei mais tarde que o comum. As luzes do andar de baixo estavam todas apagadas. No nosso quarto, apenas uma luminária do canto do quarto estava acesa.

 

 

Kristen estava sentada, encostada na cabeceira e quando me viu, seu sorriso levou o meu cansaço embora.

 

 

“ Oi amor.”

 

 

“ Oi Rob. Demorou hoje. Quase desisto de te esperar.”

 

 

“ Desculpe, eu deveria ter te avisado. Os produtores estão na cidade e resolveram tirar as dúvidas todas de uma vez, já viu… “

 

 

“ A parte chata da coisa, não é? Mas agora você está em casa e eu estou te esperando, porque eu sabia que você chegaria cansado e eu vou te dar uma massagem.”

 

 

Me corpo gemeu em contentamento. Eu não mereço essa mulher. Eu chego tarde,depois de ela ter ficado o dia todo sozinha em casa, os empregados não contam, e ela me oferece uma massagem?

 

 

“ Kristen, não é preciso, amor. Eu tomo um banho rapidinho e já venho te agradar.”

 

 

“ As minhas mãos em você é o que vai me agradar. Anda logo. Pro banho.”

 

 

Ela tirou o cobertor de cima dela e eu pude ver a langerie preta de renda. Fui correndo pro chuveiro. Voltei dois minutos depois com a toalha enrolada na cintura, todo molhado.

 

“ Rapidinho heim? Rob se enxuga, vai molhar a cama toda.”

 

 

Fiz o que ela mandou, com a toalha que estava me cobrindo. Ela é claro, adorou.

 

 

“ Vem cá, vem. a primeira massagem será com a boca.”

 

 

“ Oh God, mulher, não fala assim.”

 

 

No instante seguinte eu estava ajoelhado na frente ela. Kristen começou a me lamber e eu já estava a mil. Apoiei minhas mãos na cabeceira da cama deixando a posição confortável pra ela. Eu não me contive e quando dei por mim, eu estava estocando em sua boca e ela gemia adorando tudo aquilo.

 

Com muito esforço eu me afastei. Não queria que acabasse logo e se ela continuasse me chupando daquela maneira, eu não iria muito longe.

 

 

Ela tentou reclamar, mas eu a calei com um beijo. Inverti nossas posições e a coloquei sentada em meu peito, ao alcance da minha boca. Mas na loucura em que eu me encontrava, nem percebi que ela ainda não estava nua, mas resolvi o problema rapidinho. A calcinha, bem eu teria que comprar outra pra ela.

 

Depois de algumas lambidas, meus dedos entraram em ação, e Kristen rebolava descontrolada em cima de mim. Ela gozou logo em seguida.

 

 

“ Rob, eu te quero.”

 

 

“ Vem então, amor.”

 

 

Ela escorregou até a minha cintura e desceu lentamente, me acolhendo com o seu calor. Aquela era a nossa posição depois que a barriga não permitia mais que eu ficasse por cima dela, mas eu adorava vê-la rebolando em cima de mim. Não demorou muito para nos entregarmos e gozamos juntos. A massagem? Foi no meu ego.

 

 

 

Novembro se foi, dezembro voou e quando me dei conta era natal. Fiquei sabendo uma semana antes que teria de ir para a Hungria em janeiro por conta das locações de Bel Ami, mas não quis contar a ela antes do natal. Eu sabia que ela iria ficar chateada por não poder ir comigo. Seriam as três primeiras semanas do mês e logo eu estaria de volta pra ficar pertinho dela na reta final da gravidez. Eu esperava que ela levasse numa boa, afinal, eu não posso simplesmente dizer que não vou, é o nosso trabalho e ela sabe perfeitamente como é.

 

 

 

O nosso natal foi muito intimo, só a nossa família mesmo. Fizemos um jantar na nossa casa e na manhã seguinte iríamos abrir os presentes na casa da minha mãe.

 

“ Kristen, pega o seu casaco, está na hora de ver o seu presente.”

 

 

“ Rob, a gente não combinou de abrir lá na casa dos seus pais?”

 

 

“ Eu sei, mas não dá de levá-lo pra lá, quer dizer, dá, mas não tem necessidade, vem amor.”

 

 

“ Está lá fora? Rob o que você andou aprontando?”

 

 

“ Bem, eu sei o quanto você gostava do seu, então…”

 

 

Nos estávamos agora na garagem e eu tirei minhas mãos dos seus olhos. A carinha de felicidade dela…

 

 

“ O meu mini Cooper! Rob, como?”

 

 

“ Não é o seu, amor. Esqueceu que aqui os carros são diferentes? É apenas um igual ao seu, com o volante no outro lado.”

 

 

“ Rob, eu amei! Eu te amo. Obrigada.”

 

 

“ Olha lá dentro, as cadeirinhas…”

 

 

Eu havia instalado as cadeirinhas dos bebês no banco de trás, mas não era isso que eu queria que ela visse. Dentro do carro havia setecentas rosas espalhadas pelos bancos.

 

 

“ Meu Deus, você enlouqueceu?”

 

 

“ Aí dentro tem uma rosa para cada dia que passamos juntos.”

 

 

Ela não conseguiu falar mais nada, apenas me abraçou e eu senti que ela estava chorando contra o meu peito.

 

 

“ Hey, não chora. Eu quero você sorrindo, sua boba.”

 

 

“ Eu não mereço você, Rob.”

 

 

“ Eu penso exatamente o contrário, mas nós não iremos discutir isso agora, aqui nesse frio, não é mesmo?”

 

 

“ Não, não iremos. Vem, eu tenho algo pra você também.”

 

 

Subimos pro nosso quarto e ela me entregou uma caixinha preta bem pequena.

 

 

“ Na verdade, é um presente emprestado.”

 

 

Dentro havia uma cordão muito fino com dois pingentes. Um menino e uma menina.

 

 

“ É incrível, amor. Eu vou carregá-los comigo, como você.”

 

 

“ Até eles nascerem, como eu.”

 

 

“ Não entendi.”

 

 

Ela pegou a corrente de dentro da caixinha e a separou em duas.

 

 

“ Você vai usá-la enquanto eles não podem usar. Assim que eles nascerem, você irá separá-la assim. Cada uma fica com um pingente. Você irá colocá-la em cada um dos seus filhos.”

 

 

Eu observei o que ela fez e pude ver que a corrente realmente tinha uma espécie de encaixe que ficava quase invisível. Era linda.

 

 

“ É linda, amor. Eu vou guardar com muito carinho e quando chegar a hora, ela para o lugar dela.”

 

 

“ Então eu comprarei outra pra você.”

 

 

“ Certo, mas eu quero que você também esteja representada, promete?”

 

 

“ Ok, seu bobo. Você irá carregar a família toda no pescoço, eu prometo.”

 

 

“ Então vamos dormir, se a gente não chegar cedo, a minha mãe vem nos buscar.”

 

 

“ E as rosas?”

 

 

“ Amanhã a gente dá um jeito nelas…”

 

 

“ Boa noite, Rob, eu te amo.”

 

 

“ Boa noite, amor, você é minha vida.”

Anúncios

Ações

Informação

3 responses

1 11 2010
Maah campelo

Nossa que Lindo !! Quero Um Rob Também!!

2 11 2010
karla

AMEIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII FICOU MARAVILHOSOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO.

4 11 2010
karlla cullen pattz

aaaain que lindo como o rob é romantico. adorei
rosas aiiin que lindo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: