Inexplicavelmente Amor – Capítulo 08

11 11 2010

– Vamos nos divertir então!

– Só se for agora! – foi a única resposta que consegui dar a ele, que me agarrava novamente me colocando em seu colo, fazendo minhas pernas circularem sua cintura. Ele levantou da banheira e me levou para a cama que se encontrava no quarto me deitando nela e depositando um beijo ardente em meus lábios, foi até o banheiro buscar algo, quando voltou, começou a me beijar loucamente, como se sua vida dependesse disso, eu segui seu ritmo e o beijava na mesma intensidade. Suas mãos começaram a percorrer o meu corpo, explorando cada parte que conseguia alcançar, as minhas mãos puxavam seus cabelos, arranhava suas costas, estava sentindo já o prazer eminente que estava para começar, mas por algum motivo ele parou subitamente. Foi quando comecei a ouvir batidas frenéticas na porta.

– Bella! – era a voz de Alice que esbravejava, e socando com mais determinação a porta. – Edward, eu sei que você também esta ai! ABRA ESSA PORTA!

– Acho que é melhor atendermos a porta. – eu disse num sussurro a Edward.

– Talvez você tenha razão. – mas invés de abrir a porta para cessar o descontrole de sua irmã, Edward voltou a me beijar ferozmente, me fazendo perder os sentidos, suas mãos recomeçaram a explorar o meu corpo, como se fosse a ultima vez que faria isso. E por mais que estivesse concentrada naquela situação não pude deixar de notar as novas batidas na porta que eram visivelmente mais fortes, e uma voz a acompanhou, mostrando que eu tinha razão.

– Edward! Dá para controlar esse seu lado maníaco sexual, pelo menos ate depois do jantar? – Emmett disse rindo.

– Bella, responde pelo amor de Deus! – gritava Alice.

– Sabe acho que eles estão querendo quebrar o recorde de algum coelho! – Emmett disse gargalhando. E Alice o acompanhou, o que também foi seguido por Edward, me fazendo atingir um tom de vermelho com certeza impossível para um ser humano.

– Depois continuamos isso meu anjo. – ele disse amavelmente no meu ouvido. Descendo rapidamente da cama e colocando a bermuda, e me jogando um roupão branco que ate então não havia reparado, o coloquei rapidamente, enquanto ele foi abrir a porta, ao chegar nela me lançou um olhar profundo junto com o sorriso torto, o meu preferido.

– Finalmente! Não posso deixar ela um minuto sozinha, que você avança que nem um maníaco! – Alice disse reprimindo o irmão e socando no ombro. – Pela amor de Deus Edward Antony Cullen!

– Estava tão necessitado assim maninho? – Emmett o perguntava claramente se divertido da situação, e acompanhando Edward para o quarto.

– Mamãe, está que nem uma louca atrás do principezinho dela! – Alice o disse com um tom visivelmente que demonstrava ciúmes.

– Ciúmes Alice? – ele perguntou. Ela somente lhe mostrou língua e entrou no quarto batendo a porta na cara dos dois, os fazendo gargalhar mais gostosamente, e eu não consegui evitar se não segui-los. Alice deu um grito quando me encarou sentada na cama.

AHH!! Olha o lixo que você esta! Juro vou proibir Edward de ficar perto de você! – ela dizia com raiva. – Já para o banho dona Isabella Marie Swan.

Segui suas instruções sem contestar, afinal não queria irritar mais a pequena notável. Optei por tomar uma ducha gelada, afinal entrar novamente na banheira seria reviver a ultima hora no paraíso, e sem duvida eu estava ainda queimando de prazer, o melhor no momento sem duvida era a água fria batendo no meu corpo. O prazer que inundava o meu corpo começou a diminuir, mas não se esvaia, lavei meus cabelos com o meu shampoo de morango preferido, deslizei o sabonete pelo meu corpo, me enxagüei e me dirigi a pia para escovar meus dentes e pentear meus cabelos molhados. Vesti uma calcinha azul bebe, junto com o um sutiã da mesma cor, para que pudesse colocar a roupa que Alice havia escolhido, me enrolei no roupão e voltei para o quarto para encarar minha adorável amiga.

Alice se encontrava sentada no meio da cama, com as pernas cruzadas em estilo índio, seus cotovelos apoiados em seus joelhos e seu rosto enterrado em suas pequeninas mãos, como uma criança triste, sorri para mim mesma e a chamei.

– Alice? Está tudo bem? – perguntei hesitante.

– Aham. – ela resmungou.

– Alguma coisa aconteceu? – eu estava começando a ficar preocupada com a atitude dela.

– Bella… – ela começou com uma voz fraquinha. – queria muito te ver como a namorada do meu irmão, mas eu não sei se ele quer isso, e não quero te ver sofrer. – ela disse baixinho.

– Oh minha pequena, – eu comecei, indo me juntar a ela no meio da cama. – eu tenho noção dos meus atos, eu gosto da companhia do seu irmão, eu e ele nos tornamos amigos, é só isso!

– Amigos? – ela perguntou ironicamente.

– Bem… – eu comecei, senti meu rosto começar a ficar quente, com certeza eu estava corando. – amigos com alguns poucos benefícios. – lancei a ela um sorriso contido, mas Alice me surpreendeu ao dar uma gargalhada.

– Alguns poucos benefícios? Eu diria muitos benefícios. – ela disse me fitando com aqueles profundos olhos verdes. – Bella, ele nunca dormiu com ninguém debaixo do teto da casa dos nossos pais, você é a primeira! Você sem duvidas é muito bem beneficiada no quesito “amigas” do Edward. – Não tive outra opção a não ser acompanhá-la em sua gargalhada.

Depois desse momento “gargalhadas” e “amigos com benefícios”, troquei de roupa, colocando uma calça jeans clara, a bata azul claro e escuro que Alice havia me emprestado, calcei minha sapatilha prata. Alice que estava vestindo hoje uma legging preta, um vestido xadrez em preto e roxo, e nos pés uma sapatilha preta. Ela insistiu em secar meus cabelos, enquanto ela fazia tal ação, meus pensamentos foram consumidos pelo assunto discutido antes com ela.

Então era verdade, eu era a primeira a garota com que Edward transava dentro da casa dos seus pais, e tanto seus irmãos como seus amigos consideravam tal atitude surpreendente, inesperada talvez, mas infelizmente isso não queria dizer nada, porque tais atitudes se deviam pela falta de outro lugar, ou pela ausência de seu Volvo. Como Alice havia dito amiga com “muitos” benefícios, talvez com tempo isso mudasse, mas de uma coisa eu tinha certeza, pelo menos por enquanto eu iria aproveitar ao máximo essa amizade, e evitaria ao extremo me apaixonar por Edward, para não estragar esse momento.

Depois de Alice ter secado meus cabelos e feito uma maquiagem leve no meu rosto, caminhamos para que eu conhecesse seus pais. Quando alcançamos o primeiro andar, Alice me levou a cozinha que tinha duas mulheres uma baixinha, de pele morena, vestida com uma roupa branca, aquela sem duvidas era a cozinheira, a outra mulher era um pouco mais alta do que eu, seus cabelos eram de uma cor castanha com leves tons de bronze que moldavam seu rosto em forma de coração, seus olhos eram verdes claros, seu corpo cheio de curvas que eram marcadas pelo vestido marrom, nos seus pés usava uma linda sandália não muito alta, num tom de caramelo, ela sorria lindamente em minha direção.

– Bella, essa é minha mãe Esme. – Alice disse enquanto ia abraçar sua mãe.

– Muito prazer em conhecê-la Sra. Cullen. – eu cumprimentei-a educadamente.

– Querida, por favor, me chame de Esme.

– Ok, Esme. – ela veio e me abraçou maternalmente.

Ouvi muito sobre você querida. – ela me disse depois que se afastou de mim, me fazendo atingir uma tonalidade de vermelho surpreendente.

– Tenho certeza que foi tudo exagero. – eu lhe disse timidamente. Esme abriu um enorme sorriso para mim.

– Alice, minha filha leva Bella para a sala de TV, onde todos estão. O jantar vai ser servido assim que seu pai terminar o banho.

– Tudo bem, mãe. – ela me conduziu ate a sala de TV que havia visto ao longe mais cedo, ao adentrarmos o local Rosalie que vestia shorts jeans curto, com uma bata colorida de mangas, e em seus pés uma sandália baixa estava deitada no sofá lendo uma revista. Emmett usava uma bermuda preta combinada com uma camiseta do Boston Celtics e tênis, Jasper usava uma calça jeans, uma camiseta branca com a foto de Sócrates e tênis, e a ultima pessoa que se encontrava ali, Edward vestia uma bermuda jeans escuro, camiseta preta com o desenho de um Alien verde e tênis, incrivelmente lindo, como sempre. Eles jogavam videogame concentradissímos, mas quando entramos ali viraram para nos ver.

– Ah… é a mestre dos magos (n/a: caverna do dragão, lembram?!) e a Bella, bela adormecida. – Emmett disse rindo, e lançando a mim um olhar malicioso.

– Finalmente! – a loira esplendorosa exclamou.

– Bella teve um probleminha, por isso que demoramos Rose. – Alice lhe respondeu lançado um olhar fulminante a mim e a Edward, que me lançou seu sorriso torto. Emmett e Jasper gargalharam com a resposta, me fazendo ficar terrivelmente vermelha.

Enquanto os meninos continuavam a jogar videogame, rindo, brigando e xingando entre si, Rosalie e Alice ficaram conversando trivialidades sobre as festas do campus e eu só as observava. Foi quando adentrou naquele ambiente um homem alto, loiro, com os olhos verdes escuros, seu corpo era definido, os seus músculos lembravam os de Edward, esguios, mas existentes. Ele vestia uma calça jeans escura acompanhada de uma camisa cinza e sapatos pretos.

– Bella, esse é meu pai Carlisle. – Alice disse se levantando para ir abraçar seu pai.

Bella?! – ele laçou um olhar significativo a Edward, que afirmou com a cabeça. – Muito prazer em conhecê-la.

– O prazer é meu Dr. Cullen. – ele disse oferecendo a minha mão a ele.

– Carlisle, por favor. – acenei com a cabeça, e ele me lançou um sorriso igual o do filho mais novo. – Meninos novamente jogando Resident Evil? – todos eles gargalharam menos eu que estava perdendo alguma piadinha interna, mas fui salva dessa inconveniência quando Esme veio nos dizer que o jantar já ia ser servido.

Dirigimos-nos a mesa de jantar, onde Carlisle assumiu sua posição na ponta da mesa, a sua esquerda sentou Esme, Edward, e eu, ao lado direito estava Alice, Jasper, Rosalie e na outra ponta Emmett. Primeiro fora servido uma salada de folhas verdes, com tomate seco e mussarela de búfalo, o segundo prato e principal era nhoque de bolonhesa com queijo gorgonzola acompanhado de arroz branco, por mais simples que era o jantar, este estava divino.

No seu decorrer notei certa proteção que Esme dava ao seu filho caçula, como Alice gostava de frisar, e essa atenção não passava despercebida dos outros. Carlisle por sua vez protegia visivelmente Alice, mas não a mimava tanto como Esme fazia com Edward. Logo após o jantar fora servido a sobremesa, petit gateau na qual nos deliciávamos. As conversas durante todo o jantar foram a respeito da faculdade, e quando todos se dirigiam para a sala de música, para Edward tocar piano, decidi que era a minha deixa para pedir licença e deitar no quarto que estava hospedada.

Apesar de ficarem tristes por me ausentar do pequeno concerto de Edward, me concederam o pedido, sorri novamente e agradeci por tudo e me dirigi ao terceiro andar da casa. Entrei no quarto e troquei de roupa vestindo minha regatinha básica que sempre dormia, e como não havia trazido nenhum short e muito menos minha calça de moletom, iria deitar só de calcinha mesmo, fui ao banheiro escovei meus dentes, e penteei meus cabelos, e me direcionei a cama pegando no sono imediatamente.

A minha inconsciência vagou pelas conversas tidas com Rosalie e Alice, e a que Alice afirmou que seu irmão nunca havia se comportado de tal maneira, e o fato dela estar com medo para que não me machucasse. Revivi aquele momento de tristeza em seus olhos, e a minha promessa de nunca me apaixonar por Edward, mas minha cabeça que estava totalmente confusa, começou a explorar as hipóteses de nós namorando, vivendo todos os momentos que os casais poderiam viver, os beijos eram apaixonados, noite em que não se fazia sexo por prazer mas sim por amor, ele me amando incondicionalmente, me pedindo em casamento, o nosso casamento, onde caminharia feliz pela igreja onde a única pessoa que conseguiria ver seria ele, com seus lindos olhos verdes brilhando por finalmente me ter como sua esposa, os filhos que teríamos, uma mistura de nós dois. Apesar de ser uma irrealidade linda, me despeitei assustada deste sonho.

Analisei o quarto me reprimindo por ter esse tipo de sonho, prometi a mim mesma nunca mais pensar ou sonhar sobre isso, pois eu não poderia estragar minha amizade com Edward, e ele com certeza só me via como uma amiga, e nunca seria mais que isso. Me levantei da cama e fui ate o banheiro lavar meu rosto, e tentar retirar as imagens lindas do meu sonho, da minha cabeça. Quando voltei ao quarto tive que segurar um grito, lá estava ELE, sorrindo radiante para mim.

– Um milhão por seus pensamentos. – ele me disse animado.

– Não estou pensando em nada. – disse a ele corando.

– Não parece. – ele parecia preocupado. – Será que eu posso dormir do seu lado?

– Só se for para dormir mesmo. – por mais que eu quisesse que ele me possuísse, deveria conter meus instintos sexuais, pelo menos por enquanto, afinal o sonho que havia tido, estava relutante em sair da minha cabeça, e se alguém viesse atrás de nós perceberia que estávamos apenas dormindo.

– Como você quiser. – ele disse me lançando aquele seu sorriso torto lindo, e entrando embaixo do lençol de linho branco. – Você não vem? – como alguém podia ser tão irresistível? Como alguém que eu conhecia há uma semana podia mandar e desmandar tanto assim em mim? Caminhei lentamente ate a cama e entrei embaixo do lençol como ele havia feito, porém o mais distante possível. – Por que toda essa distancia Bella?

– Que distancia Edward? – resolvi agir inocentemente.

Essa! – ele apontou para o espaço que havia entre nós na cama então a quebrou me trazendo para mais perto dele. – Agora esta melhor. – ele disse sorrindo e me beijando calmamente. – Por que você não ficou para me ouvir tocando?

– Porque eu estava cansada, ou esqueceu que você não tem me deixado descansar? – eu disse a ele tentando o repreender, mas estraguei o efeito ao sorrir no final.

– Perdão, minha querida. – ele disse maliciosamente. – Por que será que eu tenho te cansado tanto?

– Convencido. – disse com desdém.

– Você também vem me cansando muito! – ele exclamou, antes de me beijar ferozmente. Encerramos o beijo e caímos na inconsciência.

A minha imaginação novamente me pregou a mesma peça de antes, porque lá estava eu sonhando com uma vida longa e eterna com Edward, mas dessa vez consegui nós visualizar velhos, cercados com nossos netos. Acordei novamente assustada, e observei ele dormindo calmamente, uma pequena claridade já irradiava pelo quarto. Seus olhos fechados, a cortina de cílios longos encostado na sua bochecha pálida, que por conta do calor que se fazia no quarto estava levemente rosada, seus cabelos bronze estavam mais despenteados do que antes, e alguns fios caiam em seus olhos, e sua boca, ah… sua boca era linda e convidativa, de um vermelho cor de carne leve, seus lábios eram de um desenho perfeito, os dois eram do mesmo tamanho e estavam um pouco abertos, atraindo toda a minha concentração para não beijá-lo ferozmente naquele momento. Mas a tentação prevaleceu e eu toquei com minhas mãos sua face e lhe dei um leve beijo nos lábios, ele se mexeu mas não acordou, porem me abraçou com mais força. Continuei a observá-lo pelo que me pareceu dias. Admirando toda aquela perfeição, recordando de todos os momentos de paixão que havíamos passados, com toda a concentração o admirava, mas naquele momento perdi a concentração me assustando, quando um furacão invadiu o quarto.

– Bella! – Alice exclamou ao abrir a porta do quarto e ver que eu não estava sozinha. – Edward! – ela gritou. – O que você esta fazendo aqui?

– Até você entrar querendo desmoronar o mundo, eu estava dormindo. – ele disse voltando a fechar os olhos e me abraçando mais forte.

– Bem você quer fazer o favor de ir para o seu quarto, porque a mamãe está indo acordar seu bebezinho. – ela disse ironicamente.

Merda. – ele disse se levantando numa velocidade impossível e correu por seu quarto passando por Alice que apenas lhe deu de língua.

– Bella, o que foi isso? – ela me repreendeu. – Agora pelo jeito vou ter que agüentar todos os dias meu irmão dormindo no nosso dormitório com você? – ela ia dizendo com raiva.

– Bom dia para você também Alice. – eu disse me espreguiçando.

– Bom dia, mas Bella, você vai ou não me dizer o que foi isso?

– Na… – eu comecei mas fui impedida por Esme que passava pelo o corredor em direção ao quarto de Edward.

– Bom dia Bella, dormiu bem querida? – ela perguntou amavelmente.

– Bom dia Esme, e sim eu dormi muito bem. – Alice revirou os olhos e bufou.

– Que bom, agora me deixa acordar o Edward, faz anos que não o acordo. – ela disse alegremente, eu lhe dei um sorriso tímido. Afinal foi por causa de Alice que ela quase não encontra o seu filho no quarto dele, mas sim no quarto que seria meu e na cama comigo, me estremeci com esse pensamento.

– Salvos por mim! – Alice disse presunçosa.

– É Alice você é a melhor! – eu disse distraída, a fazendo revirar os olhos. Depois de uns cinco minutos de um silencio desconfortável, Esme passou pela minha porta rindo.

– Então meninas vamos tomar café?

– Já estamos descendo! Bom dia Edward! – ela disse cinicamente, me fazendo segurar o riso.

– Bom dia mestre dos magos. – ele disse com raiva, eu me segurei para não gargalhar. – Bom dia Bella.

– Bom dia Edward. – eu o respondi com educação.

– Você está morto Dionísio (n/a: referencia ao deus grego da luxúria, do vinho e das festas. Na mitologia romana é conhecido por Baco). – ela respondeu no mesmo tom que ele, dessa vez eu não consegui não gargalhar. – Bella, coloca uma roupa e vamos descer. – ela disse fechando a porta com raiva.

– Tudo bem. – Levantei peguei a minha calça jeans que vesti ontem e uma camiseta preta, e me direcionei ao banheiro para tomar uma ducha rápida e fazer minha higiene pessoal, depois de dez minutos eu estava pronta na frente de Alice. – Vamos?

– Claro. – ela respondeu animadamente. – Sabe Bella, estou começando achar que meu irmão ta gostando de você!

Que? – perguntei alto, por que com certeza eu não havia ouvido direito. – O que você disse Alice?

– Que eu acho que meu irmão gosta de você! Ele tem agido estranho esses dias.

– É impressão sua!

– Que seja. – ela disse revirando os olhos. Alcançamos a sala de jantar onde um café da manhã colonial estava posto, com diversas variedades de frutas, pães e geléias. Todos olharam para nós e desejaram bom dia. Novamente me sentei ao lado de Edward que me lançou seu sorriso torto maravilhoso, e tomei o meu café.

Assim que terminei segui novamente ao quarto de hospedes em que fiquei, para organizar minhas coisas, uma vez que dentro de uma hora estaríamos voltando a Dartmouth.

Estava dobrando as minhas roupas e colocando-as na minha mochila, quando ouvi vozes no corredor, Edward estava conversando com alguém.

– Edward, ela é uma boa menina, vê se não magoa ela! – uma voz musical que não me lembrava a quem pertencia falava.

– É Ed, você ta curtindo ela de verdade não é? – essa era a voz de Emmett, de quem será que era a outra voz? E quem era ela? Tive que me segurar para não ir ate a porta para ver quem estava ali junto com os irmãos Cullen, mas a minha resposta veio imediatamente.

– Pai, eu não vou magoá-la, e sim Emmett eu estou curtindo de verdade! – Edward disse com uma voz um pouco cansada, sobre quem será que os três estão falando, e porque raios eles não dizem o nome dela.

– Edward, Bella é amiga da sua irmã. – Bella? Eles estavam falando de mim? Mas por que? O que eu tinha ver com essa conversa? – E Alice disse que vocês estão bem envolvidos, e meu filho você sabe muito bem…

– Sim pai eu sei o que aconteceu, e não deixarei acontecer de novo! – Meu Deus do céu, o que é que tinha acontecido? E porque eles estavam todos apreensivos com a atitude dele?

– Pai, vamos dar o benefício da duvida ao Edward, ele merece depois desse ano movimentado ele mudou. Não mudou Ed?

– Sim Emmett eu mudei, não faço mais aquelas coisas! – Edward respondia cansado. – E pai, pode ficar tranqüilo, eu prometo que não vou magoá-la, ou machucá-la, nem nada!

– Espero meu filho, te darei essa chance, mas estarei te observando! – Carlisle disse com calma. – Emmett, você vai ficar responsável pelo seu irmão qualquer coisa que ele fazer, não hesite em me ligar. – mas porque raio Edward necessita de alguém para vigiá-lo? O que ele fez para que Carlisle não confie nele?

– Pai eu não preciso de uma babá! – ele disse com raiva.

– Vai ser divertido ficar “cuidando” do Edward. – Emmett disse animado.

– Bem garotos, estamos conversados, Edward, Emmett juízo! – Carlisle disse e depois o ouvi descendo as escadas e os garotos seguiram para o quarto de Edward, fechando a porta ao passar.

Não consegui entender o porquê de Carlisle ficar tão preocupado com as coisas que Edward pode fazer, e principalmente o que pode fazer comigo para obrigar Emmett ficar de olho nele, essa história estava muito estranha, em uma semana descobri tantos mistérios que envolvem a família Cullen e principalmente Edward, todos o tratavam com um cuidado demasiado, uma atenção exagerada envolta dele, e o que ele faz, mas será que ninguém ali percebia que o “santo” Edward Cullen, não precisava de toda aquela apreensão, que mesmo com todo aquela atenção ele aprontava? Será que eles eram tão cegos assim? Havia tantas duvidas que cercavam a Edward que eu faço questão de descobrir, nem que para isso eu tenha que questionar ele mesmo.

Terminei de arrumar as minhas coisas, escovei meus dentes e penteei meus cabelos, mas não conseguia tirar todas as perguntas e as coisas que descobri da minha cabeça, ela estava girando de tantas informações. Estava absorta nos meus pensamentos que nem notei quando Edward entrou no quarto e me abraçou, e depositou um beijo na minha nuca.

– Você está bem meu anjo? – essa voz no meu ouvido, me fez arrepiar. – Eu nem pude te dar bom dia direito. – então ele me virou e me beijou ferozmente, beijo que retribui da mesma forma, sua língua acariciava a minha de uma maneira tentadora, suas mãos desciam e subiam pelo meu corpo, apertando meus seios, minha bunda, forçava o seu corpo contra o meu, numa caricia sensual e irresistível. Novamente aquele beijo transparecia as sensações mais incríveis em mim, que fazia meu corpo desejar aquele outro de uma maneira gritante, queria ele dentro de mim naquele momento, mas infelizmente nem tudo é como queremos.

– Bella! Edward! Vamos! – Emmett gritava do andar de baixo. – Rose e Jasper tem que chegar a New Hampshire para o almoço!

– Estamos descendo! – gritou Edward. – Vamos princesa? – Confirmei com a cabeça, peguei a minha mochila e descemos. Quando chegamos ao primeiro andar estavam todos nos esperando. Despedi de Esme e Carlisle e segui para o carro com Rosalie, Emmett, Jasper e Alice. Edward ficou se despedindo de seus pais.

O caminho de volta foi silencioso, Rosalie estava lendo calmamente um livro, Emmett atento na estrada, Jasper e Alice dormindo encostados um no outro, e Edward estava encostado no meu ombro fazendo carinhos circulares na minha mão, me fazendo ficar sonolenta. Depois de duas horas de viagem, comecei a avistar os prédios de Dartmouth. Emmett deixou a mim e Edward próximo aos dormitórios, e foi junto com os outros para a residência dos Hale. Estava me dirigindo ao meu dormitório quando Edward segurou meu pulso com força.

– Bella almoça comigo? – ele perguntou sedutoramente, lançando aquele sorriso torto que eu tanto amava.

– Só se for para comermos Mc’Donalds!

– Com milkshake de chocolate? – ele me perguntou com uma cara de criança feliz.

– Só se depois tiver sundae! – eu exclamei a ele com mesmo tom de felicidade.

– Vamos então? – ele me perguntou estendendo sua mão, e eu a peguei prontamente. Fomos até ao estacionamento onde estava o seu Volvo, adentramos e seguimos a lanchonete.

Comemos nosso lanche e o de ambos acompanhando com milkshake de chocolate, depois fomos caminhar pelo parque que havia próximo ao campus, sempre de mãos dadas, atitude que parecia não incomodá-lo e não me incomodar. Ate que um casal de velinhos passou por nós e disseram algo como “amor juvenil”, o que fez Edward rir, e me beijar profundamente. Até que uma voz veio para nós incomodar.

– Vai assumir um namoro sério agora, Edward Cullen?
—–

E ai meus amores o que acharam do oitavo capitulo?

Comentem! aaaaaaaaah passei no meu TCC *–* auhsuahs

valeeu ae quem torceu por mim!

Anúncios

Ações

Information

5 responses

11 11 2010
Bella

IXI! Quem apareceu pra atrapalhar o momento romântico dos safadeenhos??
E mais uma vez parabéns!

11 11 2010
Karlla cullen williams

Ai gente quais sao esses segredos do ed. Owwn flor q bom torci muito por vc.

11 11 2010
Dani

aiiii eu amooo isso de verdade…quais são as coisas que o Edward fez??
i quem foi que atrapalhou o beijo dos 2 ?? aiii to loca pra ve amanhããã

12 11 2010
Maria Alice

Nussa..
Como falei no twitter to mando a fic, melhor coisa que
fiz foi perdir uma indicação hehe
Gente que delicia da não da vontade de parar.. é impossivel
nao gostar.!!
Cap 9 ?? Cadê vc..!!
Parabens pro Meninas Vampiras q ta postando a Fic é pra autora tbem.!

12 11 2010
karla

parabéns pelo seu tcc vc merecer . o capitulo esta divino. vc como sempre nós surpreendedo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: