Inexplicavelmente Amor – Capítulo 09

11 11 2010

– Vai assumir um namoro sério agora, Edward Cullen?

A voz que perguntou isso era anasalada, melosa, um pouco infantil, e me fazia sentir um arrepio na espinha, Edward afastou-se de mim e encarou a ruiva que estava na nossa frente com raiva.

– Victoria, qual parte do não quero nem pensar em ouvir sua voz você não entendeu? – sua voz transparecia todo o ódio que um ser humano pode sentir.

– Wow, calma Eddiezinho, só fiquei curiosa nunca imaginei você preso a uma só garota, ainda mais… – ela me deu um olhar de cima em baixo como se me avaliasse. – uma totalmente normal.

– Isso não é da sua conta! Ou você esqueceu o que me fez?

– Ahh, Eddie novamente essa história? – ela dizia como se divertisse. – Já faz tanto tempo e vejo que não houve danos muito permanentes!

– Porque esses danos não são visíveis! – ele gritou bufando de raiva, nunca o havia visto daquela forma totalmente descontrolado.

– Bem vejo que você esta começando a ficar agressivo, e não quero conhecer o departamento de polícia de New Hampshire, ainda, – ela disse rindo. – então deixarei o casal mais… – ela deu uma olhada em nos dois como se avaliasse. – estranho a sós. – ela disse passando por nós e acenando com a mão. – Beijinhos, amores. – e soltou uma gargalhada maquiavélica.

– Bella, me desculpe por isso. – ele me disse amorosamente.

– O que foi isso Edward? – perguntei exasperada, eu queria uma resposta. – O que a Victoria quis dizer?

– Bella, – ele disse com uma voz sofredora (?). – não me pergunte sobre isso!

– Por que Edward? Por que você, seus irmãos, os seus amigos e os Brown vivem falando de “algo” que aconteceu, mas ninguém diz o que na verdade aconteceu? – eu estava cuspindo as palavras para fora, eu queria saber o que estava acontecendo.

– Bella, é uma coisa que ninguém na minha família gosta de falar, é uma situação nojenta, asquerosa, então pelo bom Jesus não pergunta novamente o que aconteceu. – ele disse com a voz cansada.

– Mas por que Edward? Por que vocês não gostam de falar disso? – eu estava desesperada para saber o que era, lagrimas começaram a correr pelos meus olhos.

– Bella, eu te prometo quando eu estiver pronto para dizer sobre o que nós escondemos, você vai ser a primeira, a saber. – ele disse a promessa fazendo carinho no meu rosto e secando com um beijo cada uma das lagrimas que desciam.

– Você jura, que vai me contar? – eu perguntei apreensiva.

– Sim Bella eu prometo. – ele agora me abraçava carinhosamente. – Vamos sair daqui? – ele me perguntou pegando a minha mão.

– Vamos. – então nos dirigimos ao seu Volvo, onde entramos em silêncio. Mas na minha cabeça as duvidas a respeito de tudo o que havia entreouvido, as conversas que presenciei, pulavam e faziam malabarismos me deixando a cada segundo mais confusa, o que pode ter acontecido para que todos esses eventos rondassem Edward? O que todas essas insinuações, esses cuidados extremos significavam? E por que ele ainda não podia me dizer?

Eram tantas duvidas e questões que nem notei quando chegamos ao estacionamento dos dormitórios que agora deserto. Ele desligou o carro, e quando eu fui sair ele me segurou pelo pulso, impedindo a minha saída. Olhei para ele assustada, mas então ele me lançou aquele seu sorriso torto que eu tanto amava e começou a me beijar. Seu beijo era urgente, feroz, ardente, sua língua se enrolava com a minha, suas mãos exploravam o meu corpo, me fazendo arder em prazer. Ele passou então a beijar, a morder, e dar pequenas sucções em meu pescoço, suas mãos começaram a subir a minha camiseta e logo ele tirou, e rapidamente fez o mesmo com a dele.

– O que você está fazendo Edward? – consegui suspirar enquanto seus lábios exploravam o meu pescoço.

– Quero sentir seu corpo no meu. – ele respondeu se afastando, por um segundo do meu pescoço.

– Mas aqui? Aqui no estacionamento? No seu carro? – perguntei em meio aos gemidos que saiam da minha boca, por conta dos beijos e sucções que ele dava no meu pescoço.

– Bella, o estacionamento está vazio – ele estava olhando fixamente nos meus olhos. – e eu não agüento ficar sem seu corpo ate chegarmos a qualquer um dos dormitórios. – eu corei violentamente com esse seu comentário. – E eu quero ouvi-la gemer e derreter de tesão aqui no meu carro, nesse espaço mínimo que é só meu. – só com essas poucas palavras nada sexy ou talves muito sexys meu corpo começou a arder em prazer, mordi meu lábio inferior e acenei positivamente a minha cabeça.

Ele então me puxou para seu colo, colocando cada perna minha de um lado seu, me pressionando contra o seu peito, me fazendo sentir seu membro pulsante próximo na minha entrada, fazendo meu sexo também latejar de prazer. Sua boca explorava meu pescoço, o lóbulo da minha orelha, gerando um tremor que nada tinha haver com frio no meu corpo, suas mãos nas minhas costas, logo desabotoaram meu sutiã, o jogando em algum lugar no chão do carro, e começou a beijar o vão dos meus seios enquanto sua mão esquerda massageava suavemente meu seio direito, beliscando tranquilamente meu mamilo, sua boca foi parar no meu seio esquerdo, o lambendo-o, mordendo-o suavemente, sua língua deixava um rastro de fogo na minha pele, e depois assoprando devagar, me fazendo gemer alto, e o fazendo sorrir presunçoso sob minha pele, uma corrente elétrica que surgia em algum lugar no corpo dele era transferida para o meu numa descarga surpreendente, me deixando a cada segundo extasiada.

Ele se afastou serenamente de mim, e foi para o banco de trás do carro tirando sua calça ficando só com sua boxer branca, olhei com desejo para aquele corpo que com certeza faria o Davi de Michelangelo ser uma escultura sem graça e sem emoção, retirei rapidamente a minha calça também para fazer companhia a Edward ficando somente de calcinha na sua frente.

Não conseguia entender de onde estava vindo toda essa minha coragem, mas com certeza poderia atribuir pelo menos uns 90 por cento que era por causa daquela protuberância que eu tinha na minha frente, Edward estava me tirando dos trilhos de uma maneira que nunca consegui sequer imaginar, fez o meu universo dar uma volta de 360 graus, mudando todos os meus conceitos, todas as minhas opiniões, meus princípios, era uma situação inexplicável.

Estava analisando toda aquela volúpia que tinha na minha frente, quando ele me puxou para junto de seu corpo, fazendo sua pele quente encostar-se à minha, suas mãos explorarem a cada pedaço de pele exposta e a pouca não exposta, arrancando um gemido de prazer da minha boca. Com esse gemido ele se estimulou e colocou sua mão por dentro da minha calcinha explorando o meu sexo, arrancando um gemido mais alto de mim e me fazendo arfar de prazer.

Ele mexia seus dedos dentro de mim com vigor, me beijava violentamente como se precisasse de todo o ar que eu pouco tinha em meus pulmões, as minhas mãos puxavam seus cabelos com força, mas essa força nada tinha haver com protesto para parar, mas sim com o prazer que me dominava, transparecendo a ele que eu queria cada vez mais aquele toque, aquele momento que me levava no paraíso. Seus beijos violentos, tornava calmos, e depois profundos e depois ainda amorosos, seus dedos brincavam com meu sexo e meu clitóris como se sempre houvesse feito isso. Edward era um amante impagável, um expert na arte do sexo, ele era sem duvida incrível. Seu toque urgente no meu corpo, seus lábios nos meus, depois explorando meu pescoço, minha clavícula, o vão dos meus seios os meus seios, e seus dedos em mim que faziam me molhar de prazer, estava sentindo o orgasmo que estava chegando, e sentia o ápice dele próximo também por conta dos meus gemidos histéricos e frenéticos, ele respirava com dificuldade, e eu tinha sérias duvidas se respirava ainda.

– Bella eu quero entrar em você agora! – ele conseguiu dizer ofegante na minha orelha. Respondi a ele o beijando com desejo, porque eu queria a mesma coisa que ele. Então ele rasgou a minha calcinha, abaixou a sua boxer branca, colocou rapidamente a camisinha que estava próxima, e me penetrou, não com calma ou delicadamente mais com um pouco de violência, como se não fizesse aquilo há anos, não senti dor ou incomodo nenhum, somente o queria inteiro dentro de mim, comecei a cavalgar um ritmo frenético e inebriante em cima dele, o fazendo urrar de prazer o que era seguido por mim, ele me ajudava a me movimentar em cima dele, apertando a minha cintura, a empurrando para cima e para baixo, para frente e para trás, depois de excelentes e poucos minutos, joguei a minha cabeça para trás e comecei a sentir o aumento dos meus batimentos cardíacos, o aumento da minha pulsação, meus músculos se contraindo, aquele arrepio inexplicável me dominando, um tremor pelo meu corpo, a sensação de entrega se espalhando por todos os meus sentidos, o encarei, e seus olhos estavam fixos no meu rosto me lançando aquele seu sorriso mágico, então me libertei dentro dele e ele fez o mesmo comigo, cai exausta em cima dele, tentando controlar a minha respiração, ele também tentava controlar a sua, mas estava difícil, ele então saiu lentamente de dentro de mim, e eu queria protestar, mas não conseguia me mexer, eu estava sem reação de tão potente que havia sido o meu orgasmo.

Eu não conseguia me mexer, não conseguia sequer erguer um dedo, e com certeza a minha voz também não saia. Eu tinha certeza, alguma coisa estava errada comigo, isso não era possível, ficar nesse estado, era um torpor inexplicável, se existe o máximo do prazer, eu tinha alcançado.

– Bella, você esta bem? – ele me perguntou ainda visivelmente cansado.

– Não sei Edward, – eu disse baixinho, com um fio de voz. – não consigo me mexer!

– O que? O que você disse? – ele me perguntou rindo.

– Que eu não consigo me mexer! – eu disse com raiva, pelo menos a minha voz tinha voltado, mas o restante do meu corpo, não respondia os meus comandos.

– Como assim não consegue se mexer? – lá estava ele esboçando aquele maldito sorrisinho torto.

– Não sei. Nunca me senti assim! – essa conversa e o fato de não consegui levantar um dedo estavam me deixando irritada, mas parece que Edward estava se divertindo.

– Cara… eu sabia que era bom! – ele disse com uma voz presunçosa. – Mas você esta melhor? Recobrando seus sentidos?

– É… acho que sim. – tentei me levantar do seu peito, onde estava deitada, mas cai mole novamente! – Não… eu não melhorei… o que você fez comigo?

– Eu fiz sexo com você! Só isso! – ele estava ficando ofendido.

– Você me destruiu!

– Bella, você é muito exagerada! – ele disse dando os ombros. – Eu acho que você, deve ter tido aquele negócio que as mulheres chamam de … er… orgasmos múltiplos!

– O que é isso? – eu perguntei curiosa.

– Não sei, nunca fui mulher… mas acho que foi isso. – ele disse na dúvida.

Eu ia começar a xingá-lo quando ouvi duas batidinhas no vidro da janela do motorista do Volvo. Então uma voz grossa e forte perguntou.

– Olha eu sei que tem alguém ai dentro, e devo dizer que eu sei que é bom fazer amor, mas aqui no estacionamento da faculdade em plena luz do dia, não é tão bom! – eu olhei assustada para Edward e esse estava rindo, novamente.

– O que a gente vai fazer seu idiota? – eu perguntei com raiva e graças aos céus eu tinha conseguido recuperar os meus movimentos devido ao susto, logo me sentei no banco ao lado de Edward.

– Fica tranqüila Bella, ele não pode ver aqui dentro, mas aqui – ele entregou sua camiseta para mim. – coloca minha camiseta para que eu possa falar com o segurança. – vesti sua camiseta com pressa, enquanto ele vestia novamente sua boxer branca, e foi abrindo um pouco o vidro.

– Oh… desculpa senhor Cullen, mas você deve saber que é proibido ficar assim… – o segurança hesitou um minuto. – em trajes sumários aqui no estacionamento.

– Meu caro Eleazar – fiquei surpresa ao ver que eles se conheciam. – vamos ignorar que você me encontrou aqui com a minha amiga, e ai eu… te dou um pequeno brinde. – brinde? O que era que Edward iria dar a esse cara para não nos levar presos.

– Edward, bem eu espero que seja a ultima vez que eu te pego em alguma situação… er… embaraçosa, apesar que a da ultima vez foi pior, mas eu não posso mais favorecê-lo! – ele deu aquele seu sorriso torto que convence ate o papa.

– Claro Eleazar, isso aqui ou aquela outra coisa nunca mais vão acontecer!

– Bem Edward eu também espero, porque toda vez que eu te salvo eu comprometo meu emprego! – ele só afirmou com a cabeça. – Agora vou deixá-los a sós para que vocês possam ir para os dormitórios sem o alarde de ninguém. Bom restante de domingo Edward e senhorita… senhorita amiga do senhor Cullen. – A vergonha que eu estava sentindo não era nada ate aquele momento, porque eu consegui ficar roxa com esse comentário.

– Valeu Eleazar, amanhã eu acerto com você! – Edward respondeu ao segurança e fechou o seu vidro, e virou-se para mim. – Isso foi interessante, vamos novamente Bella?

– Vamos de novo aonde? – eu perguntei distraída, por conta do susto do segurança e por causa dele já ter pego Edward em uma situação comprometedora, mas que situação foi essa?

– Ué… mais um round meu anjo! – ele disse como se fosse obvio.

– Você ta louco? Não quero ser presa por atentado violento ao pudor. – eu disse com raiva. – E que outra situação constrangedora ele te pegou? – eu perguntei com aspereza.

– Não foi com outra garota. Foi outra coisa. – ele disse a mim arqueando as sobrancelhas, então eu entendi que deveria ser alguma coisa relacionada a ilícitos, pelo jeito. – Mas porque não Bella, só mais uma vez?

– Aqui não! – eu fui objetiva, o fazendo sorrir.

– No meu ou no seu dormitório? – ele disse com safadeza.

– Edward Cullen, você só pensa com sua cabeça de baixo? – tentei dizer irritada, mas acho que não consegui.

– Ok, sem mais sexo hoje! – ele disse meio contrariado. – Mas pelo menos eu posso ficar descansando no seu dormitório? – ele me perguntou com aquela cara de cachorro sem dono.

– Bem… pode né!? É o dormitório da sua irmã também! – ele me lançou aquele seu sorriso maldito e depois veio me beijar com desejo, uma de suas mãos começaram a explorar o meu seio que estava coberto por sua camiseta e a outra foi para o meu sexo, me fazendo arfar, tentei afastá-lo, mas não consegui, ele continuava a me beijar com prazer e suas mãos exploravam o meu corpo como se fosse algo natural, com muito sufoco, consegui suspirar. – Edward. Aqui. Não! – ele se afastou de mim e pegou nossas roupas.

– Acho que você não vai conseguir usar mais isso. – ele estava com a minha calcinha rasgada em suas mãos, rindo.

– Não acredito que você fez isso! – eu suspirei cansada.

– Vai Bella, sem ressentimentos eu compro uma nova para você! – ele disse sorrindo e eu revirei meus olhos. Vesti a calça jeans, e me senti desconfortável, coloquei minha camiseta e comecei a procurar meu sutiã, mas não encontrava.

– Edward, você viu meu sutiã? – perguntei ainda procurando pelo chão do carro.

– Por acaso ele seria branco com listras pretas?

– Isso, você viu? – então fui encará-lo e ele sorria. – O que foi Edward?

– Acho que o seu sutiã, esta pendurado ali no volante! – ele me respondeu, apontando para a peça que estava entrelaçada no volante me fazendo corar em um tom de vermelho inigualável. – Sabia que você fica linda toda vermelhinha. – ele sorriu torto, me tirando do controle, eu agarrei sua boca em um beijo ardente e feroz, beijo esse que foi retribuído imediatamente por ele, e novamente suas mãos começaram a explorar o meu corpo, com toques fortes e penetrantes, que faziam minha pele arder. – Bella você quer continuar isso aqui?

– Wow, não é melhor sairmos daqui. – eu lhe disse timidamente, ele sorriu e retirou meu sutiã do volante e me entregou. O peguei e coloquei dentro da mochila que eu havia levado para Boston, e fomos caminhando para o meu dormitório.

Os prédios dos dormitórios estavam estranhamente vazios, caminhei lentamente para o quarto andar com Edward do meu lado, peguei a correspondência na nossa caixa de correio, e havia várias no nome de Alice, e duas com o meu nome, uma era a da minha mãe, e a outra era um envelope vermelho, com o meu nome escrito com letras pratas. Chegamos ao quarto, coloquei as cartas de Alice na sua escrivaninha, e sentei na minha cama para lê-las.

A da minha mãe era bem curta, era um cartão postal de Miami, onde ela e Phill, o seu novo marido tinham ido passar a segunda lua de mel, nele somente dizia que sentia saudades e pedia para escrever um e-mail para ela urgente, sorri comigo mesma, e reparei que Edward me observava curioso.

– Um postal de minha mãe, ela está em Miami numa segunda lua de mel! – eu disse a ele, respondendo sua pergunta silenciosa. Ele somente me lançou o seu sorriso de lado, e acenou com a cabeça. Abri o envelope vermelho com as letras pratas, e dentro o padrão era o mesmo, papel vermelho e letras pratas, era um convite.

.

____________________________________________

Srta. Isabella Swan,

A fraternidade Psi Chi Iota, lhe dá BOAS VINDAS A DARTMOUTH COLLEGE,

E tem o enorme prazer de convidá-la para a

“FESTA FETICHE”

que vai ser realizada no sábado dia 15 de setembro, as nove horas da noite, na casa da fraternidade no campus da Dartmouth College.

Nós da Psi Chi Iota, aguardamos a sua presença e não se esqueça do seu traje de fetichismo, porque a noite vai ser cheia de fetiches.

Atenciosamente, comitê de entretenimento.

____________________________________________

.

Olhei atônica o convite, uma das maiores, e mais conhecidas fraternidades feminina universitária me convidou para uma festa? E essa festa era sobre fetiches? Não isto era uma piada de mal gosto de alguém, nunca uma fraternidade iria me chamar para uma festa, continuava observando abobalhada aquelas linhas, quando Edward me tirou dos meus devaneios.

– Bella aconteceu alguma coisa? – ele me perguntou preocupado, sentando ao meu lado na cama.

– Aconteceu Edward, olha isso. – entreguei o convite para ele, e este abriu um sorriso de orelha a orelha.

– Que maravilha, terá uma festa de boas vindas e vai ser sobre fetiches. Humm… que delícia! – ele disse com safadeza.

– Edward… mas é da Psi Chi Iota, como pode saber meu nome e me convidar? – eu estava questionando confusa.

– Bella e daí que uma fraternidade feminina famosa sabe tudo sobre você! A gente vai ter uma festa incrível sábado! – ele estava parecendo criança em manhã de natal, quando descobre que ganhou a bicicleta que queria, de tão feliz que estava. – E creio que tenha sido a Tanya que convidou você, é a fraternidade dela e ela é a responsável pelo comitê de festas.

O que? – eu perguntei confusa. – O que você disse sobre a Tanya?

– Que ela é responsável pelas festas das Psi Chi Iota.

– Mas por que ela me convidou? – eu estava totalmente confusa.

– Porque ela gosta de você, gosta de mim, sabe que nos dois estamos saindo, e ela gosta muito dos meus irmãos e dos Hale, com certeza fez para nos agradar. – ele deu de ombros.

– Mas isso não é justo, eu fui convidada por causa das pessoas que eu conheço! – eu continuava confusa.

– Bella relaxa… – ele disse deitando na minha cama, me puxando junto e me abraçando com força. – vamos curtir essas horinhas que temos a sós. – ele me deu um beijo estalado na bochecha. – Vai me conta qual é seu fetiche? Do que você vai vestida? – ele questionava ansiosamente.

– Acho que não vou, não Edward. – eu suspirei.

– E porque você não iria? – ele perguntou bravo.

– Porque eu fui forçadamente convidada e não tenho uma “fantasia” de fetiche!

– Bella, normalmente essas fraternidades convidam todos os calouros, então relaxa você não foi “forçadamente” convidada. – ele abriu um enorme sorriso. – E quanto à fantasia… bem Alice pode te ajudar!

– Mas… – ele me impediu de falar me beijando calorosamente. – Tudo bem… eu vou nessa loucura.

– Ótimo! – ele deu aquele sorriso sensual de lado. – Você vai realizar o fetiche da sua fantasia comigo? – revirei os olhos e não respondi. – Bem adoraria ver você de enfeimeira aqui para o seu médico, ou colegial… hummm… ou ainda de coelhinha da playboy. Delicia!

– EDWARD! – reprimi a ele.

– Meu anjo, acho justo você realizar o fetiche da sua fantasia comigo. – ele beijou calorosamente meu pescoço. Não consegui responde-lo de tão envolvida que estava em suas caricias, sentia os arrepios de prazer envolvendo meu corpo. Comecei a explorar sua orelha, a beijando, a mordendo ou passeando minha língua por ela, o fazendo arfar majestosamente de prazer ao meu toque. De repente suas mãos passaram a explorar toda extensão do meu corpo arrancando a camiseta que vestia rapidamente, minhas mãos tiraram a de Edward eficientemente, logo suas mãos foram parar no botão e no zíper da minha calça jeans a tirando rapidamente. Em segundos ele retirou a dele ficando somente com sua boxer branca na minha frente, e eu totalmente nua entregue ao seu deleite.

Logo seus eficientes dedos começaram a explorar o meu sexo, me fazendo gemer alto de prazer, sua boca agarrava o meu seio o colocando todo dentro de sua boca, sua língua circulando o meu mamilo, me levando a loucura, e eu tinha espasmos de tanto prazer que sentia. Seus dedos que se localizavam na minha entrada, me massageando, eu conseguia já sentir o prazer me inundando.

Foi então que sua boca largou o meu seio, e foi diretamente para o meu sexo, arqueei minhas costas com o toque quente e unido da sua língua, na minha parte mais sensível. Resolvi encará-lo nos olhos, olhos verdes estes que estavam brilhando de luxúria, prazer, fazendo aumentar o meu prazer só de encará-los, ele sorriu torto entre meu sexo e continuou a explorá-lo, circulando meu clitóris, sua língua adentrava minha entrada em movimentos circulares, depois iam da esquerda para a direita, depois de cima para baixo, e sugava meu clitóris novamente, e depois ele repetia novamente todo o processo. Quando ele foi para repetir pela sétima vez eu senti os meus batimentos cardíacos acelerarem, minha pulsação aumentar, os meus músculos se contraindo, o arrepio começando em algum lugar no meu estomago e se espalhando por todo o meu corpo, o suor escorrendo pela minha nuca e testa, a sensação de entrega me dominando por completo, novamente algo escorrendo pelo meu sexo e ele sugando, então entre arfadas consegui gritar o seu nome.

EDWAAARRRD… – foi então que meu corpo caiu molemente sobre a cama, e novamente naquele dia não conseguia mover um dedo sequer do meu corpo, aquele torpor inexplicável novamente me tomava, aquilo era o máximo do prazer e era extremamente prazeroso, magnífico, esplendoroso. Ele sorriu para mim, se afastando o meu sexo que estava parcialmente molhado, e deitando ao meu lado na cama.

– Isso foi bom para você Bella? – apenas confirmei com a cabeça. – Você não consegue mexer um músculo sequer, de novo? – novamente confirmei com a cabeça. – E você também não consegue me satisfazer, não é? – e pela terceira vez confirmei com a cabeça, porem dessa vez ele ampliou o seu sorriso torto, em sinal de safadeza. – Bem… você já conseguiu ao ter o seu maravilhoso orgasmo, na minha boca. – disse ele a mim, depois mordendo o meu lábio, e depois me beijando ardentemente.

Meus olhos começaram a ficar pesados, e mesmo relutante adormeci em seus braços, meu rosto pousado em seu peito definido.

Não sonhei com nada, ou era o que pensava, somente sentia o calor que irradia daquele corpo, bem como aquele perfume adocicado e refrescante. Sentia seus dedos fazendo movimentos suaves nas minhas costas. Estava me sentindo relaxada, preguiçosamente comecei a abrir meus olhos, e encarei aqueles brilhantes orbes verdes, me observando com curiosidade e com cautela.

– Você dormiu bastante, conseguiu descansar? – ele perguntou amavelmente.

– Descansei sim, por quanto tempo eu dormi? – perguntei com a voz embargada.

– Umas quatro horas… agora são oito horas da noite. – ele respondeu prontamente, me sobressaltando. – Quer ir comer alguma coisa? – ele perguntou com aquele ar de safado.

– Comer comida sim, – respondi maliciosamente. – mas antes quero tomar um banho, posso?

– Quer que eu ajude você tomar um banho? – ele perguntou sedutoramente.

– Humm, se eu te dizer que prefiro tomar banho sozinha porque estou cansada, você ficaria bravo? – perguntei cautelosamente, ele abriu aquele seu sorriso torto, que tanto amava.

– Devo estar te cansando mesmo, não é? – ele perguntou divertido, me fazendo abaixar a cabeça e corando violentamente. – E claro que eu deixo você ter um momento seu.

Caminhei lentamente ate o meu guarda-roupa, tendo a plena consciência de que estava nua, e que Edward admirava o meu corpo, desejando-o. Não conseguia entender da onde eu estava tirando todo esse “ar” sedutor que me dominava, me fazendo agir impulsionamente desta maneira. Optei por uma saia jeans curta, uma camiseta azul, e tênis baixo branco, me direcionei ao banheiro olhando de relance para Edward que estava deitado com os braços atrás da cabeça me admirando, senti minhas bochechas quentes por conta daquele olhar desejoso, antes de fechar a porta.

Entrei debaixo do chuveiro, e senti a água quente cair sobre o meu corpo, o relaxando mais, molhei meus cabelos e depois os lavei com o shampoo de Alice, um cheiro era de pêssego e mel, inebriante, era único. Comecei a me ensaboar, fazendo o sabonete escorregar pela minha pele que foi totalmente explorada antes por Edward. Passados quinze minutos sai do chuveiro, me sequei e coloquei um conjunto de calcinha e sutiã brancos e vesti a saia e a camiseta, coloquei a toalha na cabeça e segui para o quarto. Edward já estava devidamente vestido com a roupa que estava anteriormente, calça jeans, camiseta azul escuro, e tênis. Dei um sorriso na sua direção, e fui para a minha mochila pegar minha nescesserie, voltei ao banheiro escovei meus dentes e penteei meus cabelos, deixando-os secar naturalmente. Voltei ao quarto e o encarei.

– Então vamos? Ou esqueceu que você me deve um sundae?

– Vamos meu anjo, é verdade, sundae de chocolate! – sorri em concordância, e me direcionei a porta, o que foi seguido por ele, atravessamos a porta, a fechei, e ele estendeu a sua mão para mim, a peguei e fomos caminhando para o estacionamento. Estávamos caminhando calmamente em direção ao seu Volvo prata reluzente, quando observamos um movimento no estacionamento próximo a uma Mercedes vermelha. Era um casal, este se agarrava loucamente, mas era um casal estranho, Edward parou e soltou uma risadinha, eu encarei a ele, e este apontou com o pescoço para o casal, eu observei mas não notei nada, apenas que os dois estavam extremamente colados. Foi quando ele resolveu chamar a atenção do casal.

– Tanya!?

—-

Gostaram? comentem!

Anúncios

Ações

Information

8 responses

12 11 2010
bellshair

to amandoooooo.

12 11 2010
Karlla cullen williams

Aaaha meeelldels #safadinhos. Quero mais…

12 11 2010
Bella

Ô calor!!!!
Ih será q vai rolar sexo a três na festa do fetiche???

12 11 2010
Maria Alice

Nossa gente.. o que é isso.!!
Ta mto perfeito.!!
Please, nao demore com o 10º
isso ta ficando mto bom.. e to me matando de curiosidade
pra saber o que o srº Ed esconde.. ja tenho tantos palpites..
Parabens.!!
BjO.!!

12 11 2010
Dani

Meu Deus…………do céu rsrssr que qui é isso bom bay bay

12 11 2010
kesia

eu espero q não role sexo a 3 ….pq vai ser meio q nojento!!

13 11 2010
karla

eu tambem espero que não role pq eu achou muito nojento .nossa

19 01 2012
ciça

guando vc vai postar espero que seja tão bom quando esse.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: